Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
39 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56735 )
Cartas ( 21160)
Contos (12583)
Cordel (10005)
Crônicas (22135)
Discursos (3131)
Ensaios - (8937)
Erótico (13379)
Frases (43213)
Humor (18338)
Infantil (3739)
Infanto Juvenil (2600)
Letras de Música (5463)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (137959)
Redação (2915)
Roteiro de Filme ou Novela (1053)
Teses / Monologos (2387)
Textos Jurídicos (1922)
Textos Religiosos/Sermões (4728)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->Choveu no meu Sertão -- 01/08/2019 - 17:22 (Padre Bidião) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Chove no meu Sertão 


No instante da entrega, as armas foram ao chão, jogadas. Não haviam luta dores, havia o queimor do amor a aquecer uma caverna não habitada.
Nesse momento, me senti você se apossando de mim, como uma Cruz de Almas, desnudas. Senti um só ser num lugar onde joguei meus pudores e me fiz de amores por você. Meu cálice, esporrou a sangria mulher. Ao som dos coqueirais, senti o mar revolto, tocando minhas entranhas e beijando minhas paredes na caverna. Ouviu-se um grito em que meu corpo unido ao teu, se fez uma sinfonia. Choveu então, no meu sertão que me proporcionou um oásis e, sentindo meu Lobo assustado a desaguar em mim menina e líquida, me vi mulher tua. Descobri o desejo ardente seu e meu celebrando a primeira reunião onde meu corpo era por você habitado. O toque e o calor de suas mãos a incendiar minhas entranhas. Chuva se fez sol e pude então, me render ao lobo que me segurava atentamente e se fez verão no mar. Meu tom, teu som e a sinfonia ao som mar no ama na convivência da menina com o lobo.

Marcos Alexandre Martins Palmeira
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui