Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
51 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56814 )
Cartas ( 21161)
Contos (12583)
Cordel (10010)
Crônicas (22151)
Discursos (3132)
Ensaios - (8951)
Erótico (13386)
Frases (43330)
Humor (18382)
Infantil (3752)
Infanto Juvenil (2627)
Letras de Música (5464)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (138019)
Redação (2917)
Roteiro de Filme ou Novela (1053)
Teses / Monologos (2394)
Textos Jurídicos (1923)
Textos Religiosos/Sermões (4762)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->Amor que morre* -- 16/08/2019 - 13:54 (Benedito Pereira da Costa) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Amor que morre*

O nosso amor morreu... Quem o diria!
Quem o pensara mesmo ao ver-me tonta.
Ceguinha de te ver, sem ver a conta
Do tempo que passava, que fugia!

Bem estava a sentir que ele morria...
E outro clarão, ao longe, já desponta!
Um engano que morre... e logo aponta
A luz doutra miragem fugidia...

Eu bem sei, meu amor, que pra viver
São precisos amores, pra morrer
e são precisos sonhos para partir. 

Eu bem sei, meu amor, que era preciso
Fazer do amor que parte o claro riso
Doutro amor impossível que há de vir!

[Florbela Espanca, 1894-1930, Florbela de Alma Conceição Espanca. Nasceu em Vila Viçosa. Estudou em Évora, cidade que substituiu efetivamente sua cidade natal. Em Matosinho, morreu essa extraordinária poetisa portuguesa, herdeira do lirismo de Sóror do Alcoforado. In "Antologia da Literatura Mundial  (Antologia dos Poetas Portugueses), 7ª edição, São Paulo, Editora Logos, 1966, p. 235]. 

* CB, 12/08/2019, Diversão & Arte, p. 5.


Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 23Exibido 22 vezesFale com o autor