Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
55 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56825 )
Cartas ( 21161)
Contos (12584)
Cordel (10012)
Crônicas (22151)
Discursos (3132)
Ensaios - (8954)
Erótico (13388)
Frases (43345)
Humor (18383)
Infantil (3751)
Infanto Juvenil (2630)
Letras de Música (5464)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (138025)
Redação (2918)
Roteiro de Filme ou Novela (1053)
Teses / Monologos (2394)
Textos Jurídicos (1923)
Textos Religiosos/Sermões (4766)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->MINHA NAMORADA -- 06/06/2001 - 23:15 (João Ferreira) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos




MINHA NAMORADA

Jan Muá









Eu nunca te vi

E apesar disso te beijo como se fosses minha namorada



Teus olhos são lindos como os de minha namorada

Tuas mãos são esbeltas e macias como as de minha namorada

Teu coração é emotivo e amante ao natural

Como o de minha namorada...



Teus poemas são suaves e belos como as da poesia enamorada

Teus sentimentos e emoções são os de minha ideal namorada

Teus passos leves têm a suavidade de minha namorada



Nunca te vi mas sempre te senti

De ti fala a vida, o sonho, a fantasia

Os livros sagrados e os livros apócrifos

Todos te cantam como minha esbelta namorada



Os rios, as fontes, as árvores, as largas estradas

Os pássaros das florestas e os pássaros urbanos

Os céus e a terra falam de ti com carinho



Eu já falei contigo e tu me respondeste

Já nos adivinhamos tantas vezes

E embora não conheçamos nossos rostos

Sabemos reconhecer a voz de cada um



É como se partíssemos de Platão e da teoria das idéias inatas

E achássemos que de alguma vida anterior

Tínhamos recebido a identidade de nossas vozes

E de nossos sentidos



Agora que a vida nos revelou

E Santo Antônio nos abençoou

Somos de verdade os enamorados da vida

Os eternos namorados da poesia



Somos aqueles que de coração liberto

Prosseguem seguros olhando o sol e o mar

Em cujos fios são tecidos os mais profundos horizontes

Da fé e da esperança na rota do tempo!



12 de junho de 2000

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 73Exibido 890 vezesFale com o autor