Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
65 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 54786 )
Cartas ( 21052)
Contos (12083)
Cordel (9480)
Crônicas (21040)
Discursos (3104)
Ensaios - (9893)
Erótico (13117)
Frases (39763)
Humor (17540)
Infantil (3558)
Infanto Juvenil (2307)
Letras de Música (5410)
Peça de Teatro (1309)
Poesias (135496)
Redação (2869)
Roteiro de Filme ou Novela (1034)
Teses / Monologos (2371)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4164)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->Lenda dos Fotógrafos Ambulantes da Rua XV -- 06/03/2017 - 15:59 (Luciana do Rocio Mallon) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Lenda dos Fotógrafos Ambulantes da Rua XV
Reza a lenda que entre as décadas de 20 e 60, existiam fotógrafos ambulantes, que andavam pela Rua XV de Novembro de Curitiba, tirando retratos, de surpresa dos passantes daquela rua. Ás vezes, despois desta foto relâmpago, eles entregavam os cartões dos estúdios onde trabalhavam. Mas tinham alguns que esperavam o retorno da pessoa à famosa rua e assim, que ela aparecia, o profissional mostrava a foto revelada e tentava vende-la ao transeunte.
Naquela época existia um rapaz chamado Zezinho, que estava desempregado. Porém tinha realizado um curso de fotografia e revelação. Então ele montou um estúdio em sua casa e para ganhar um trocado, o rapaz tornou-se um destes fotógrafos relâmpagos. Deste jeito ele passou a tirar retratos, de surpresa, das pessoas que andavam pela Rua XV para vender estas fotos depois.
De repente, ele viu uma moça muito bonita. Mas que vestia roupas do século dezenove. Mesmo assim ele tirou uma foto da jovem. Porém, na hora da revelação, não saiu a imagem da bela.
Dias depois, o rapaz avistou a mesma mulher e deu um clique. Mas, na hora da revelação, em vez da imagem da moça, apareceu a seguinte frase na foto:
- Donzelas mortas e vampiros não aparecem em fotografias e nem em espelhos.
- Por favor, me deixe em paz!
Desta maneira, Zezinho ficou assustado.
Quando chegou dois de novembro, Dia de Finados, ele foi convidado para tirar fotos do movimento do Cemitério Municipal São Francisco de Paula.
Então, no meio do campo-santo, ele se deparou com um túmulo onde havia o retrato da mesma jovem misteriosa que sumia nas revelações. Assim o moço resolveu fotografar o túmulo. Quando ele deu o clique, seu corpo foi parar dentro da tumba, onde havia um esqueleto com as mesmas roupas da jovem misteriosa.
Luciana do Rocio Mallon

Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui