Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
29 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 54746 )
Cartas ( 21052)
Contos (12072)
Cordel (9445)
Crônicas (21020)
Discursos (3104)
Ensaios - (9890)
Erótico (13109)
Frases (39743)
Humor (17539)
Infantil (3557)
Infanto Juvenil (2306)
Letras de Música (5410)
Peça de Teatro (1309)
Poesias (135412)
Redação (2863)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2371)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4160)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->Suor dos orixás -- 11/03/2017 - 23:28 (Adalberto Antonio de Lima) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

 Passaram-se vinte anos no calendário das formigas e a menina manifestou o desejo de voltar à casa dos pais, afinal, no calendário dos homens, ela estava desaparecido há pouco mais de quinze minutos. Durante este tempo, Emília  fez amizade com libélulas, borboletas e minúsculos animais que habitam o bosque, sem contar, é claro, com as formigas que lhe prometeram um presente, como sinal de eterna amizade. 
Emília escolheu como presente voltar para seu mundo nas asas de uma libélula, fazendo acrobacias e beijando as águas de lagos e rios. Assim foi feito, e quando cresceu, tornou-se cientista, estudou as formigas, e jamais se esquecera de : Mirm, Eco e Logia. Ela  deu a essa ciência o nome de mirmecologia, em homenagem àquelas três amigas.Foi assim, portanto, que  há muitos anos, muitos anos atrás, num bosque encantado, longe de qualquer civilização humana, morou uma menina que conversava com as formigas.
— Adiante os ponteiros do calendário, Rava. Voltamos a ser criança! Tens agora que cuidar também de três formigas.
—  E de um beija-flor que salvei. Por que ele não aprece mais para sorver o néctar dos meus girassóis?
— Ora, dez leprosos foram curados, e apenas um voltou para agradecer. Posso eu por acaso, julgar o proceder de um beija-flor? Devo condenar as formigas? Os pássaros se alimentam das formigas e quando morrem, tornam-se pasto para elas.
— Canalizemos nossas energias para outras fontes. Passemos esta ponte: barbeiro não ganha a vida tocando rabeca — acrescentou Robert  — nem cigarra acumula tesouro em seu celeiro. Não se ganha a vida fazendo aquilo que não é próprio de seu ofício. Cada um exerce sua função em algum campo da atividade humana, assim, em sua passagem pelos campos estrangeiros, faça amizade com Machados e Guimarães. Aos outros, só cumprimente... Mas não deixe de bater continência, nem para aqueles que morreram há mais de setenta anos. Pendure uma ou duas ave-marias em favor deles, e brincos nas ovelhas, gordas ou magras. Estes são adornos que assinalam o direito de propriedade sobre o rebanho, e deve ser respeitado.
— Sabes que evito aspas  tanto que posso.
Não quis polemizar o discurso. Engoliu a seco muitas aspas, vespas, morcegos, caspas e a nova imagem dada por Bobby ao barbeiro de Bentinho.  De fato, relegar a loja de informática a segundo plano, parecia  loucura. Como bem o  dissera Gilson Chagas: ‘Não é  preciso voltar ao primeiro século antes de Cristo, para encontrar Lucrécio ajoelhado aos pés de Mecenas, encontraria em qualquer esquina um escritor vendendo o cérebro para comprar   leite e pão.’ De fato, isso é verdade. Muitos pagaram pela edição de seus primeiros títulos. Raquel pagou,  Queirós também, e Coralina gastou seus Vinténs de Cobre na feitura de suas obras. Mas  Ravenala  não estava disposta a pagar para ser lida. E assim, para testar o canal, vez por outra, publicava em sites de literatura alguns fragmentos do livro que escrevia, deixando  pingar trechos, gota-a-gota, como Fernão, que abria a torneira e, imediatamente a fecha,  para que uma formiga não se afogasse no tsunami.
 A  ousadia de Ravenala lhe rendeu  elogios e também críticas desfavoráveis. Ela,  porém, não se intimidava; aprendera  enxugar as lágrimas com o dorso da mão esquerda, de modo que a direita não visse. Temia, no entanto,  que as críticas fossem  dirigidas  à autora e não à obra. O que às vezes acontecia.  Entretanto, ela tudo suportava. Segurava o soluço, não o choro. E as lágrimas derramadas, curavam sua alma. Quantas mulheres guardam lágrimas num frasco, para lavar os pés do mestre, e enxugar com os cabelos!  Há mulheres que guardam potes cheios deste suor da alma, suficientes para lavar por inteiro o Cristo Redentor. Também homens, em quantidade tanta, represam suas lágrimas santas e lavam os templos católicos com o suor dos orixás. 
***
Adalberto Lima, trecho de Estrada sem fim...
Nota do autor:
Estrada sem fim está em processo de enxugamento.Pretendo transformar as 520 páginas em aproximadamente 200, e à medida que 'enxugo', publico em sites de literatura para avaliar a receptrividade do leitor. Daí porque em fragmento e com títulos que, na verdade, não figuram na obra.

Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 0Exibido 32 vezesFale com o autor