Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
39 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56739 )
Cartas ( 21160)
Contos (12583)
Cordel (10006)
Crônicas (22136)
Discursos (3131)
Ensaios - (8937)
Erótico (13379)
Frases (43217)
Humor (18341)
Infantil (3739)
Infanto Juvenil (2601)
Letras de Música (5463)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (137961)
Redação (2915)
Roteiro de Filme ou Novela (1053)
Teses / Monologos (2388)
Textos Jurídicos (1922)
Textos Religiosos/Sermões (4729)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->HORA MARCADA -- 10/10/2007 - 21:37 (Edmar Guedes Corrêa****) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
HORA MARCADA

Florindo acordava todos os dias antes do sol nascer e praticava sua caminhada pelo orla da praia durante uma hora. Podia estar fazendo frio, calor, chovendo ou até mesmo caindo geada; nada o demovia da sua caminhada diária. Dizia estar cuidando da saúde, fazendo exercícios para ter uma vida longa e assim aproveitar mais a vida.
Muitos de seus amigos – companheiros de longa data, dos tempos de juventude – diziam que isso era besteira, que só se morre quando chega a hora; e quando esta chega não há nada que se possa fazer. Mas Florindo não pensava assim: discordava prontamente dos amigos e confessava que nada o faria mudar de idéia, e enquanto fosse vivo, suas caminhadas na madrugada continuariam.
Certo dia Florindo acordou e viu que caia uma tempestade e raios cortavam o céu cinzento. Por um momento titubeou e pensou em não sair para caminhar. Tinha uma saúde de ferro, mas não deveria ficar abusando debaixo de toda aquela chuvarada; qualquer dia ainda poderia pegar um forte resfriado ou quem sabe uma pneumonia.
Mesmo assim levantou-se, calçou as meias, vestiu a roupa de caminhada, desceu até a portaria do prédio e ficou ali pensativo a olhar para o outro lado da rua, para o calçadão deserto. Estava meio que indeciso, sem saber se deveria atravessar a rua e encarar aquele temporal por uma caminhada apenas. Relampeava. E se um raio o atingisse? Chegou a indagar-se.
Por fim decidiu enfiar-se embaixo da chuva. Desde que começara suas caminhadas há mais de dois anos, nunca faltara uma vez e não seria uma chuva que o impedira de manter a tradição. Deu dois passos até a calçada para sentir a temperatura da água que caía. Não estava fria.
Assim, decidido a seguir em frente, ganhou impulso para atravessar a rua correndo. Nisso, ao atravessar, foi atingido por um carro em alta velocidade. Morreu na hora. Embora gozasse de uma saúde de ferro, sua hora havia chegado.



LEIA TAMBÉM:
FOI INESQUECÍVEL
MUDANDO DE NEGÓCIO
ANTES DO CAFEZINHO
GAROTINHO ESPERTO
ATRAVÉS DO ESPELHO
O POETA ESTÉRIL
SEI FALAR DE AMOR
EU PRECISO TE DEIXAR
O POETA SEM LIMITES
ESSAS MULHERES
DEFINIÇÃO DE MULHER
LEMBRANÇAS DE UM AMOR
O HOMEM ATORMENTADO
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui