Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
39 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 55351 )
Cartas ( 21072)
Contos (12178)
Cordel (9607)
Crônicas (21341)
Discursos (3113)
Ensaios - (9921)
Erótico (13148)
Frases (40262)
Humor (17570)
Infantil (3577)
Infanto Juvenil (2311)
Letras de Música (5420)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (135962)
Redação (2881)
Roteiro de Filme ou Novela (1036)
Teses / Monologos (2375)
Textos Jurídicos (1909)
Textos Religiosos/Sermões (4240)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->UMA LUZ NO ABISMO DAS TREVAS (mistério) -- 01/06/2017 - 10:33 (Adalberto Antonio de Lima) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos







Antes de despontar os primeiros raios da aurora, o náufrago subiu no mastro, abriu os braços e se lançou como uma gaivota na corrente de ar. Voou além do horizonte. Daquele ponto, teve visão noturna do universo, todo o cosmo estava debaixo de seus pés.
 Sentiu uma nesga de lua rasgar o negrume da noite, banhando  de luz prateada a imensidão do mar. Ondas amenas quebravam lentas e esbranquiçadas acariciando a  alma do náufrago. O farol piscava, mas não havia farol. Guiado pela luz de uma estrela, pousou numa praia deserta.  Não muito longe da praia, espectros fantasmagóricos dançavam nas ondas esbranquiçadas. Vultos cambaios flanavam sobre as águas borbulhantes; almas benfazejas ou do mal, nunca se sabe! Alma penada. Talvez depenada. Implume de qualquer pena ou pecado, outras acinzentadas como que fumaça esvoaçante escondendo o negrume de sua má inclinação. Sentiu que não estava só. Extasiado, viu um homem de terno branco puxar a cortina que separava a luz das trevas. O cenário era de uma  brancura incandescente, nunca vista pelo olho humano. O céu se abriu, e no  albor infinito, translúcida imagem de uma  mulher se balançava numa cadeira  suspensa do chão. Tinha ela  o semblante calmo e aspecto jovial. Corina não envelheceu.

***

Adalberto Lima, trehco de Estrela que o vento soprou.
Imagem: Internet



Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 54 vezesFale com o autor