Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
70 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 55345 )
Cartas ( 21072)
Contos (12178)
Cordel (9607)
Crônicas (21339)
Discursos (3113)
Ensaios - (9921)
Erótico (13148)
Frases (40254)
Humor (17570)
Infantil (3576)
Infanto Juvenil (2311)
Letras de Música (5420)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (135960)
Redação (2881)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2375)
Textos Jurídicos (1909)
Textos Religiosos/Sermões (4239)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->Lenda da Emília da Rua XV de Novembro(Corrigida) -- 01/08/2017 - 21:27 (Luciana do Rocio Mallon) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Lenda da Emília da Rua XV de Novembro de Curitiba
Na década de noventa existia uma adolescente gordinha, órfã de pai e mãe, chamada Daniele. Mas era morava com sua avó que lhe dava educação e carinho. Daniele cresceu e se formou em Psicologia, porém como não tinha dinheiro para abrir um consultório conseguiu um bico de vender pequenas bonecas artesanais, fantasiada de Emília do Sítio do Pica-Pau Amarelo, na Rua XV de Novembro.
Como esta jovem era obesa, logo sentiu o preconceito no primeiro dia de trabalho. Pois algumas pessoas falavam frases como:
- Esta moça está muito gorda para uma Emília.
- Ela está mais para Baleia Assassina do que para Emília!
- Esta Emília comeu muito os bolos da tia Anastácia e engordou!
Como Daniele gostava de escrever poemas, ela decidiu colocar mensagens poéticas dentro das roupinhas de cada boneca. Assim suas vendas fizeram sucesso.
Numa noite esta jovem decidiu vender seus produtos, vestida de Emília, no Largo da Ordem. Porém quando ela estava caminhando em uma rua, dois homens numa motocicleta jogaram uma pedra na cabeça desta moça e ainda gritaram:
- Morra, Emília gorda!
Assim Daniele faleceu. Mas o seu espírito continuou vendendo bonecas na Rua XV de Novembro.
Uma vez ela escutou uma menina, de uns quatro anos de idade, falando:
- Eu queria tanto uma animadora infantil na minha festa de aniversário!
Então Daniele aproximou-se e disse:
- Posso realizar seu sonho de forma gratuita.
Deste jeito a moça foi até a festa da garota. Lá ela cantou a música chamada Emília da Baby Consuelo, contou histórias e brincou com as crianças.
No final do evento, o pai da aniversariante disse:
- Agora, levarei você para casa.
- Onde mora?
A jovem explicou:
- Perto do cemitério municipal.
Deste jeito, o homem deixou Daniele na frente do cemitério e notou que ela entrou neste lugar, o que deixou o rapaz muito desconfiado.
No dia seguinte, o pai da aniversariante foi com sua esposa ao cemitério e viu que havia uma fantasia de Emília em cima do túmulo de uma moça com a mesma idade e características físicas de Daniele.
Luciana do Rocio Mallon


Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui