Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
86 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 54852 )
Cartas ( 21056)
Contos (12109)
Cordel (9512)
Crônicas (21087)
Discursos (3105)
Ensaios - (9897)
Erótico (13126)
Frases (39807)
Humor (17549)
Infantil (3558)
Infanto Juvenil (2308)
Letras de Música (5411)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (135537)
Redação (2869)
Roteiro de Filme ou Novela (1034)
Teses / Monologos (2371)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4174)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->Pesados na balança de São Miguel -- 10/08/2017 - 23:46 (Adalberto Antonio de Lima) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
 
 
V
A seca de 32 não foi culpada sozinha
Pois desde 27 que ano bom já não vinha.

 
 
O dia amanhecido vê  uma multidão que ocupa o pátio da fazenda. Homens, mulheres e meninos, todos traziam uma garrafa cheia de água e a barriga vazia. A seca de 57 repete a fone de 32 na paisagem seca e no céu rendado de nuvens brancas.  A comida estava escassa na região, mas a casa do coronel  Generoso era farta.
— A senhora já viu? O terreiro tá coalhado de gente!
— Abata cinco galinhas e dois frangos. Faça um tacho de arroz, disse Corina.
— E feijão?
— Pobre não gosta de feijão. Faça pirão, maxixe e quiabo. Cozinhe um caldeirão de nabo. Saco vazio  não segura em pé.
 Fazer comida para mais de trinta pessoas era serviço demais para uma pessoa só.
— Nhá Santa... Nhá Santa...
— Peraí, tô rezando...
 As horas avançam. O ponteiro grande parece apressado. Nervoso. Euzébia também. Corina começa a cuidar do maxixe. Nhá Santa lava o quiabo picado, e  põe limão. A panela baba. A cozinha inala o cheiro de sementinha de coentro verde, alho e sal.
Nhá arruma a mesa grande — doze talhares — três vezes repetidas. Doze cadeiras acomodam os convivas. Depois mais doze se sentam à mesa e se revezam. Mais doze, enfim, é hora da procissão. Os meninos comem na cozinha, e o grandes  que são cria da casa, receberam a comida em prato esmaltado e se fartaram sentados nopeitoril da varanda. 
Peregrinos tomam a estrada. Rezam. Cantam. Suplicam. E voltam molhados. Pingos graúdos caíram sob suas cabeças. O céu sinalizou que ouviu as preces dos penitentes. Mas, naquele ano, choveu pouco no Norte de Minas, e a luta para salvar o gado era interminável. Levantava um animal aqui, caia outro ali. Levantava um ali, caia outro acolá... Até barrigueira para o animal ficar em pé, Generoso fazia.  Aprendera a salvar gado nas grandes secas do Nordeste, dando papelão molhado e garapa de rapadura às reses mais fracas. Muita gente fazia isso e salvava parte do rebanho.  Quem não tinha papelão, oferecia cacto sapecado, levemente queimado, para eliminar os espinhos.
— Papelão para vaca parida? O pasto está minguado, o leite também, mas você pode comprar torta de algodão e dar ao gado.
— Nada não, mulher. Quero que o leite saia embalado como ovo de galinha!
— E a garrafada de rapadura? É para o leite sair adocicado?
— Sê besta!...Rapadura é o melhor energético para levantar animal caído. 
Não quis dizer que na seca de 1932 ele comeu macambira e sementes de maniçoba, apanhadas no esterco das vacas. Nem disse que era nômade como milhares de nordestinos, que abandonam suas terras, por causa da seca e vão tentar a sorte, longe do seco torrão. E quando um grandalhão, do alto de seu orgulho perguntava, em tom zombeteiro: ‘Tu és nordestino, bichinho?’ Tinha vontade de dizer: ‘ Sou polonês, alemão. Quem sabe, oriental!’ ‘ Sou um vira-lata que morou em Minas Gerais, Bahia... Maranhão, São Paulo, Goiás e Rio de Janeiro. Mas nasci no Nordeste.   Ficava, no entanto,  com outra resposta: ‘Sou brasileiro, senhor...’  
— Deste tamanho estás mais para boi curraleiro — diz o mineiro. 
— Pé-duro. Na minha terra, gado miúdo é chamado de pé-duro. Mas afinal, quanto vale um pedaço de carne a mais, se São Miguel não é açougueiro! De que vale o tamanho da carcaça, se o  espírito  imortal, não tem pele nem osso!  Tanto faz 100 ou 150 granas de pó.  Na balança de São Miguel toda alma  tem o mesmo peso. O que conta é invisível ao homem, e não pode ser definido pelo conceito humano.
***
Adalberto Lima, fragmento de Estrela que o vento soprou.
Homem queimando macambira (imagem apanhada na internet)
Adalberto Lima
Enviado por Adalberto Lima em 10/08/2017
Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 5Exibido 16 vezesFale com o autor