Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
85 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 54945 )
Cartas ( 21059)
Contos (12121)
Cordel (9542)
Crônicas (21131)
Discursos (3109)
Ensaios - (9910)
Erótico (13133)
Frases (39897)
Humor (17551)
Infantil (3560)
Infanto Juvenil (2308)
Letras de Música (5414)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (135650)
Redação (2874)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2374)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4195)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->Cabedal de Ocáriz (nanoconto) -- 22/08/2017 - 02:03 (Adalberto Antonio de Lima) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

 
Mal cai a tarde, a noite cobre o céu com o negrume de seu manto. A vela tremeluz fantasmagórica e vultos vagueiam na antiga senzala. Assombração. “Tem dinheiro enterrado lá, fazendo assombração — disse João Velho —   Pururuca viu uma luzerna...”  
— Pururuca não é certo da cabeça, quem acredita nele? — interrompe Nhá Santa.
 — A mãe! A mãe dele  disse que também viu. 
–— Mas a mãe de Pururuca morreu.
— Morreu sem libertar a alma que enterrou dinheiro na casa abandonada. Se ninguém desencantar o tesouro, a alma fica presa nele, porque depositou seu coração no tesouro. É preciso arrancar o cabedal, senão a alma  fica vagando, sem rumo e sem luz.
— Muitos ocupam todo o espaço de seu coração com as coisas do mundo, e sobra pouco espaço para Deus. 
— Uai, Nhô Velho! Tô falando mesmo é de cabedal. Debaixo do pé de oiticica também se vê luz de visagem. Muita gente já viu.
— Nunca vi! Corina disse que é fogo fátuo. Gordura da oiticica ou de algum animal morto. 
— Pode ser. Mas quando era pequeno, José Lino ouviu uma criança chorando, na tapera da senzala, perto do curral, e fugiu correndo.
 — Chorou mesmo! Corina batizou o menino depois de morto e enterrado, e ninguém mais ouviu aquele choro.
— Vamos parar com isso! Não é coisa de se contar na frente de crianças?

***
Adalberto Lima, fragmento de Estrela que o vento soprou
Imagem; Internet
Adalberto Lima
Enviado por Adalberto Lima em 22/08/2017
Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 24 vezesFale com o autor