Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
68 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 55218 )
Cartas ( 21066)
Contos (12156)
Cordel (9589)
Crônicas (21293)
Discursos (3112)
Ensaios - (9914)
Erótico (13140)
Frases (40122)
Humor (17564)
Infantil (3566)
Infanto Juvenil (2310)
Letras de Música (5416)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (135847)
Redação (2879)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2375)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4226)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->LIMPEZA DA CHAMINÉ -- 23/08/2017 - 07:28 (Adalberto Antonio de Lima) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

 
A vida corporal é  imitação do devir, em outras palavras: uma ficção da realidade desconhecida. Tudo é ficção, até mesmo o ir e vir da vida, é  uma ficção e não consiste e ressurreições sucessivas, mas, ressurreição, pois, o homem morre uma só vez.
— Não compreendo. Lázaro morreu duas vezes e ressuscitou.
— Lázaro não ressuscitou. Foi reavivado.
— Esta fé não cabe em mim.
— Fé é  como um grão de mostarda. Cabem centenas em um dedal.
— Creio que Deus pôs o universo inteiro num dedal.
— Então, não pode Ele  te dar uma fé capaz de remover montanhas?
— Montanhas são obstáculos. Pedras de tropeço no caminho.Não sei quando a ficção esbarra na realidade nem aonde a hipérbole se choca com as paredes alegóricas da verdade.
— Ora, Bob!  Não há círculo quadrado, nem quadrado redondo. Quando estamos diante da verdade absoluta, o devir acontece. E não precisa compreender. Basta crer.
— Não tenho certeza se entendi. Falas de limpar a chaminé?
— Teu interior é a tenda em que deves guardar o maior  tesouro. Se compreendes que entender é entrar na tenda, então,  habitarás o santuário da sabedoria e conhecerás a verdade absoluta.
— Verdade absoluta é uma necessidade lógica.
— Não banalize o sagrado.
— Não façamos teatro litúrgico. Se nos aproximarmos muito da alma, sufocaremos a carne. Retrocedamos. Não é chegado o devir.
Ravenala desligou o monitor. Guardou o roteiro e  rascunhos de Estrela que o vento soprou.
— Desculpe-me, hoje não temos nada para o lanche — disse abrindo a porta de entrada principal do apartamento.
— Não tenho fome. Tenho sede!
— Saia!
— Minha santa! Ficas mais santa quando lhe retiro o “S”.
— Saia!
Foi.
E pensou na água que lhe pode dar de beber a Samaritana de Vespasiano.
 
***

Adalberto Lima, fragmento de Estrela que o vento soprou.
Imagem: Internet

 
Adalberto Lima
Enviado por Adalberto Lima em 23/08/2017
Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 49 vezesFale com o autor