Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
90 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 55323 )
Cartas ( 21071)
Contos (12178)
Cordel (9606)
Crônicas (21334)
Discursos (3113)
Ensaios - (9921)
Erótico (13145)
Frases (40233)
Humor (17570)
Infantil (3576)
Infanto Juvenil (2310)
Letras de Música (5419)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (135947)
Redação (2881)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2375)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4238)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->A CAVERNA DE PLATÃO -- 26/08/2017 - 05:16 (Adalberto Antonio de Lima) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
















A caverna úmida e sombria, não lhes ofereceu o repouso desejado. Quente e úmida, exalava o  cheiro de fungos nos estercos de morcego. Por certo ali, ela não teria por distração com seu pequeno príncipe mais que a beleza do pôr do sol.
Levantaram atraídos por uma luz tênue que entrava, acanhadamente, pela grande abertura do primeiro salão.
— Bom dia!
— Bom dia!
— Como me faz bem essa saudação! 
— Esse cumprimento matinal, tão benfazejo caiu em desuno na modernidade.
— A tradição tem perdido forças na vida do homem moderno. Isso não é bom. Tudo começa com o distanciamento, frieza mórbida: indiferença. Afastamo-nos  do semelhante, e, gradativamente, de nós mesmos.
— Vamos descer à cata de nosso desjejum.
— Não sinto fome!
— Precisas se alimentar. Digo, os dois precisam.
A maré subiu.
— O cansaço nos colocou sob o risco de morte.
— Como assim, Ravenala?
— A maré...Se a águas bloquearem a porta? Quero dizer, a entrada da caverna. Porta é modo de falar de uma passagem que pode nos levar a um caminho sem volta.
— Estamos em um ponto algo. A água não chega até aqui.
— E oxigênio?
— Há muitas frestas entre as rochas. Tive o cuidado de verificar isso ontem, enquanto tínhamos a luz do dia.
— Tenho um marido quase perfeito.
Sorriu docemente, enquanto procuravam alimento.
— Cuidado com as pedras soltas, disse ela.
— Passe! Vá em minha frente.
Não tinham relógio para pontilhar as horas. Mas, pela intensidade do sol e o cansaço que sentiam... Era hora de almoço. 
Gritos ensurdecedores ressoaram na mata. Macacos fugiam assustados, um porém, audacioso, manteve-se quieto, degustando uma fruta vermelha, de agradável sabor aos olhos.
— Se macaco come, também podemos comer. Façamos a festa.
— Pode ter certeza, vou comer por mim e por Robert.
Ravenala não quis mais se referir ao filho chamando-o de Bob. Percebera que Daniel...Bem. Nunca se sabe! O Coração do homem é mistério insondável.
Daquele ponto, a vista panorâmica revelava os mimos de Deus. Lá em baixo, o mar azul da cor do céu e no platô, a exuberante natureza oferece alimento em abundância. Exploraram a mata, banharam-se numa lagoa de água límpida e cristalina.
Mar, doce mar! Tão azul quando os olhos de Morgana. — Pensou.
— Os olhos de Morgana são verdes, Dan!
— Agora sondas meu pensamento?
— Sexto sentido, meu amor! Não minta! 
— Sim, o mar me traz recordações: boas e más.
— Em qual delas se situa Morgana?
— No azul infinito do mar: perto de meus olhos e longe do coração.
— São verdes os olhos da Morga.
— A cor não faz diferença. O brilho sim, transmite energia. Teus olhos sempre serão estrelas a guiar meus passos.
— Obrigada. Como fica forte uma pessoa quando está segura de ser amada — Bem gostaria de ter dito isso, antes de Freud.
— Disseste depois. Vale o mesmo: Podemos nos defender de um ataque, mas somos indefesos a um elogio.
Ravenala uniu as mãos em concha, apanhou água doce e deixou escorrer lentamente sobre barriga. — ‘Deus te abençoes, meu pequeno príncipeTe amo muito.’
O bebê se mexeu. Emocionada, ela chorou e sentiu que as lágrimas lavavam  sua alma, animando também aquele ser tão pequeno, guardado em suas entranhas há meses. E desculpou-se por não saber  o dia exato da concepção. Tentou explicar, até mesmo como forma de aliviar o próprio sentimento de culpa: ‘Os náufragos perdem a noção do tempo.
 Daniel a observava a meia distância. E volta a dialogar com sua mente: ‘Nem ao menos tentei desvendar os mistérios do coração de Morgana. Convivi com ela e não a conheci. Pode-se amar aquilo que não se conhece?’ E se perguntava: ‘Por que não tive intimidade com a Morga? Para ele, ela fora sempre Morgana, a filha de um bicheiro rico. E, mesmo casado com ela, nunca fez parte de sua vida.  Talvez o dinheiro...o dinheiro mal ganhado do pai de Morgana tenha sido a barreira que ele nunca superou — ‘Que culpa têm os filhos pelos crimes de seus pais? Quem chupa uva verde é que fica com os dentes desbotados.’
Enquanto pensava, Daniel tecia palhas de uma palmeira cujo nome ele não sabia.
Ravenala saiu da água.
— Que é isso? parece uma sacola!
— Falta ainda atar a uma vara. Espere só eu terminar. Talvez dispense explicação.
— Vais caçar borboleta, Daniel? Nada além de frutas comemos hoje, e tu vais caçar borboletas?...
— Nada disso, bobinha! Vou capturar peixes. O segundo salão tem mais de cem deles.
— Nunca! Contei todos. 
— São 153 peixes cada um de espécie diferente. 
—  Deve ser a futura arca de Noé.
— Estás delirando? Noé construiu sua arca e pôs nela animais terrestres. Não precisou preservar os que vivem na água, afinal, foram quarenta dias e quarenta noite de chuva. 
— Exatamente por isso. Não haverá mais dilúvio. Aquele salão contendo diferentes espécies de peixes é a próxima arca de Noé, para salvar os animais aquáticos do fogo. Não reparaste como a temperatura da caverna...
— Sei não! Melhor juntarmos gravetos para fazer fogo.
— Aqui em cima?
— Não, vamos descer.
— Então juntemos lenha lá. Não aqui!
— Foi isso que eu quis dizer.
***
Adalberto Lima, fragmento de Estrela que o vento soprou.
Imagem: Internet










Adalberto Lima








Enviado por Adalberto Lima em 26/08/2017

Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 73 vezesFale com o autor