Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
72 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 55218 )
Cartas ( 21066)
Contos (12156)
Cordel (9589)
Crônicas (21293)
Discursos (3112)
Ensaios - (9914)
Erótico (13140)
Frases (40122)
Humor (17564)
Infantil (3566)
Infanto Juvenil (2310)
Letras de Música (5416)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (135847)
Redação (2879)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2375)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4226)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->DESENHOS VITAIS -- 01/09/2017 - 09:39 (PAULO HENRIQUE COELHO FONTENELLE DE ARAUJO) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Romero Luiz foi desenhista em quadrinhos a vida inteira, mas criava à noite a sua própria história infantil. Uma narração comprida e sem fim sobre as viagens do Sr. Lobo e seus filhos lobinhos. A obra nunca vendeu, mas a aventura sempre prosseguiu, pois Romero sofria de insônia e os desenhos atenuavam a vigília. Romero precisava também desenhar para dormir. Precisava também tirar algumas dúvidas existenciais que eram esclarecidas através das gravuras daquela família.
A viagens de avião do Sr. Lobo e filhos eram voos estranhos. As aterrissagens sempre ocorriam em cidades perdidas no topo do mundo. Mal se identificava a última, a aeronave descia e alguém da localidade visitada logo morria. Tal morte deixavam perplexos todos os moradores da cidade, pois o morto antes de morrer parecia ter descoberto algo ainda mais luminoso do que a origem de todos os lugares e morrera para ser impedido de contar o segredo. Os moradores diziam coisas:

-Ele estava há pouco conosco... agora sabe muito mais. Sua prótese dentária total agora parece rir de nós como vocês deste avião.

A família Lobo logo partia.

Romero Luiz gostava de desenhar histórias da família Lobo. Gostava principalmente do filho caçula do sr. Lobo. Este filho surgia afirmando que todos os seres foram criados por um Deus diferente, um Deus que estava em sintonia com o avião do pai e as nuvens violetas ao redor da aeronave. Romero Luiz meditava sobre este personagem. O menino, o desenho do filho menor do senhor Lobo, percebia que o tal Deus queria mudar diariamente a cabeça das pessoas, embora não mantivesse uma coerência de propósitos como todos os criadores.
Na opinião do menino, o Deus que ele imaginara era extremamente possível. Poderia até ser uma entidade colorida que permitiria o surgimento de novas aquarelas se todos os homens pudessem conceber o sentido verdadeiro das peças do mundo.
O menino não era apenas o desenho de um personagem - talvez fosse o alter ego do próprio Romero Luiz – e revelava até um curioso estilo musical quando declarava ao pai, o senhor Lobo:

- Papai, é preciso saber retornar como um modo de continuar a existir. É necessário ser substancial e se o objetivo for voar é preciso alegria.

Quinta-feira dia 21, o desenhista Romero Luiz foi hospitalizado com uma doença psiquiátrica grave. Os seus personagens quiseram avisar. Não conseguiram.


DO LIVRO:"TOUROS EM COPACABANA"
Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 17Exibido 50 vezesFale com o autor