Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
101 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56831 )
Cartas ( 21161)
Contos (12584)
Cordel (10014)
Crônicas (22152)
Discursos (3133)
Ensaios - (8956)
Erótico (13388)
Frases (43357)
Humor (18384)
Infantil (3751)
Infanto Juvenil (2630)
Letras de Música (5464)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (138030)
Redação (2918)
Roteiro de Filme ou Novela (1053)
Teses / Monologos (2394)
Textos Jurídicos (1923)
Textos Religiosos/Sermões (4770)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->PONTOS DE VISTA -- 07/10/2017 - 01:08 (PAULO FONTENELLE DE ARAUJO) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos


Quando criança, Carolina não sabia se cachorros latiam atrás de um automóvel porque relacionavam o motorista ao veículo em movimento ou acreditavam que o automóvel em movimento fosse um ser vivo autônomo roncador. Carolina passou a infância imaginando os pontos de vista dos cães: carros são criaturas luminosas; interagem com homens em seus estômagos; no meio da avenida à noite,  os carros tem os olhos vermelhos acesos e quando fogem seus olhos são brancos; os seres humanos são mais simples porque atiram ossos e batem sapatos no chão.


Mas certo dia, Carolina voltava para casa quando uma moto trombou em um carro, o motoqueiro rolou por cima da lataria do automóvel e caiu aos seus pés. O adolescente sem capacete, levantou-se, mirou os olhos de Carolina e perguntou:


- Olha pra mim!! Eu tô inteiro?! Meu corpo tá inteiro?!


Na hora Carolina pensou nos cães ladradores, mais até, sentiu-se um deles. Até quis rir do olhar do corpo ali inteiro. Um verdadeiro cão deveria pensar: “motos sem capacetes não costumam falar”.


 


 


DO LIVRO: "TOUROS EM COPACABANA"


Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui