Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
89 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 55241 )
Cartas ( 21066)
Contos (12158)
Cordel (9594)
Crônicas (21296)
Discursos (3111)
Ensaios - (9914)
Erótico (13140)
Frases (40133)
Humor (17566)
Infantil (3567)
Infanto Juvenil (2310)
Letras de Música (5416)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (135869)
Redação (2879)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2375)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4226)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->Lenda da Dama Com Vestido Preto e Sapatos Vermelhos das Fest -- 31/10/2017 - 17:32 (Luciana do Rocio Mallon) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Lenda da Dama Com Vestido Preto e Sapatos Vermelhos das Festas
Reza a lenda que quando uma moça pobre deseja ficar bem vestida, numa festa, é só pegar emprestados: um vestido preto com sapatos vermelhos. Porém este mito surgiu na corte do Rei Luís XV.
Num dia de primavera, este rei resolveu dar um baile e disse para sua empregada preferida, Rose Marie:
- Rose, hoje, darei uma festa e quero que sua filha, Jaqueline, venha como convidada. Portanto, sem o uniforme de serviçal.
A funcionária ficou preocupada porque sua filha não tinha vestido para bailes. Então ela disse à garota:
- O rei deseja que você participe da festa. Porém como convidada. Eu soube que Filipe montou uma loja com as roupas usadas da mãe dele, a viúva Bordeaux.
A jovem exclamou:
- Mãe, mas ela só tem roupas pretas!
- Quem usa roupas escuras são somente as viúvas!
Rose Marie disse:
- Estamos na hora de acabar esta tradição. Afinal roupas negras ficam bonitas em qualquer mulher. Além disto, madame Bordeaux tinha o corpo muito parecido com o seu.
Então, estas mulheres foram ao local onde Filipe vendia as peças usadas de sua mãe. A única roupa que puderam comprar, com o dinheiro que tinham, foi um vestido negro com detalhes em lantejoulas e tule junto com um par de sapatos vermelhos, que foi o único que coube nos pés de Jaqueline.
Na hora do baile, quando a jovem chegou vestida de preto, com os calçados carmins, todos olharam para ela com admiração. Porém, uma invejosa gritou:
- Toda a menina pobre deveria ter o direito de colocar um vestido preto de viúva e um par de sapatos vermelhos de meretriz!
Mas Jaqueline não ligou, levantou o nariz e vários homens ricos tiraram esta donzela para dançar.
No final da noite, ela olhou para uma estrela cadente e disse:
- Eu peço para que toda a menina pobre possa colocar um vestido preto e um par de calçados carmins em noite de festa!
A partir daquele dia, Jaqueline desejou ser costureira.
Assim, toda a vez que esta jovem tinha folga no serviço do palácio, ela observava como a costureira do castelo, chamada Madame Bertin, confeccionava as roupas. Deste jeito, ela aprendeu pouco a pouco a costurar. Então quando se aposentou, passou a confeccionar vestidos escuros de festas, com tecidos baratos, para moças carentes.
Reza a lenda que quando Jaqueline, faleceu de tuberculose, seu fantasma aparecia à noite e ficava costurando roupas escuras para jovens pobres. Desta maneira ela distribuía as peças fantasiadas de Mamãe Noel no Natal.
Esta lenda lembrou-me de outro causo que ocorreu em Curitiba nos anos 70. Num dia de inverno, uma jovem viúva faleceu e foi enterrada com um vestido preto junto com sapatos de vermelhos. Sofia e seus filhos , donos de um brechó, que costumavam roubar roupas de defuntos para vender na loja, observaram tudo. Deste jeito à noite, tiraram as peças do corpo da falecida viúva para revender.
No dia seguinte, uma jovem pobre chamada Michele precisava de uma roupa de festa porque foi convidada para um evento de última hora. Então, ela desabafou com sua avó, que disse:
- Reze para Jaqueline, a costureira fantasma da época do Luís Quinze, que ela ajudará você a comprar uma roupa de festa bem barata.
Michele obedeceu a sua avó e foi ao Centro adquirir a peça. Quando, de repente, passou em frente a um brechó e avistou um vestido preto com sapatos vermelhos a preço de banana.
Deste jeito ela foi à festa. Naquela noite ela sonhou com uma dama que disse:
- Esta roupa, que você usou no baile, roubaram de mim quando eu estava dentro do caixão. Mas como a Jaqueline conversou comigo, aqui no céu, você pode se sentir livre para usa-la.
Luciana do Rocio Mallon


Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui