Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
86 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 55322 )
Cartas ( 21071)
Contos (12177)
Cordel (9605)
Crônicas (21333)
Discursos (3113)
Ensaios - (9920)
Erótico (13145)
Frases (40227)
Humor (17570)
Infantil (3576)
Infanto Juvenil (2310)
Letras de Música (5418)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (135943)
Redação (2881)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2375)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4238)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->Viola à luz do luar (causos) -- 30/11/2017 - 10:02 (Adalberto Antonio de Lima) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
A tarde cai. 
Mais uma vez, a peonada se reúne no alpendre para ouvir moda de viola. 
 
Tírú-lírú-lírú, lírú- lírú lírú-lão. Tírú-lírú-lírú, lírú-lírú lírú-lão:  
 

A seca de 32 não foi culpada sozinha, porque desde 27
 que ano bom já não vinha... 
 

— Meu cravo, quero ouvir Saudade de Mirabela!
— Sim.  Mas, primeiro  toco meu amor por você.
— Qual?
— Tristeza do Jeca:
 

Tírú-lírú-lírú, lírú- lírú lírú-lão. Tírú-lírú-lírú, lírú-lírú lírú-lão.
 
 Nestes versos tão singelos. Minha bela, meu amor.
 Pra você quero contar. O meu sofrer e minha dor...

 
— Quem é o cantor? Quis saber Pururuca. 
— Num tá vendo que é o coronel, respondeu Turíbio Medonho.
Generoso riu em estrondosa gargalhada, e  não pôde segurar o berro, quando a barriga subindo e descendo, chacoalhou. E a coalhada chacoalhada, respondeu com um trovão abafado: “A fôôôn so..." Corina beliscou as costas do coronel: “Meu cravo, não leve a Tristeza do Jeca para debaixo das cobertas”. Os meninos riram. E um deles disse em voz alta: “Foi o coronel quem peidou.” Tunico Oliveria tentou consertar o vexame, e acrescentou: “Pururuca queria saber quem compôs Tristeza do Jeca. Não tenho certeza, mas deve ser Angelino de Oliveira, meu parente distante.”
— Né isso não. O menino está certo — emendou Pururuca — Se ele não aponta o responsável, a culpa do pum caia em mim.
Houve uma trovoada de risos. E Pai Luís deixou cair a dentadura na xícara de café.
— Inté outro dia, patrão.
— Até..
Vaqueiros e agregados tomam o caminho de casa e levam no ouvido o aboio de Patativa do Assaré, que  Generoso tocara para fechar as cortinas de   mais uma noite de viola à luz do luar: 
 

Êeee vaca estrela, ôoooo boi fubá...
 
***
Adalberto Lima, trecho de "Estrela que o vento soprou."
Arte da imagem: Cristina Varão.
Adalberto Lima
Enviado por Adalberto Lima em 30/11/2017
Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 10 vezesFale com o autor