Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
80 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 55565 )
Cartas ( 21086)
Contos (12203)
Cordel (9645)
Crônicas (21412)
Discursos (3115)
Ensaios - (9923)
Erótico (13155)
Frases (40531)
Humor (17582)
Infantil (3581)
Infanto Juvenil (2319)
Letras de Música (5428)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (136165)
Redação (2882)
Roteiro de Filme ou Novela (1041)
Teses / Monologos (2376)
Textos Jurídicos (1910)
Textos Religiosos/Sermões (4272)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->Fazenda Campo Grande (nanoconto II) -- 03/12/2017 - 15:21 (Adalberto Antonio de Lima) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
 
...cibório de nervos e memória
tensa, coberta de sangue...
(Cid Teixeira de Abreu)


Devagar, rompeu a boiada, cortando a estrada de  Juramento a Montes Claros, e naquele mesmo dia, embarcou lotando muitos vagões do trem. Duas malas de dinheiro o fazendeiro leva pra casa. Depois da paga, vaqueiros vão à farra, endinheirados, beber cachaça  e vadiar com mulheres no cabaré da cidade. Cláudio Manuel Constâncio, o Pururuca, ficou preso. Reconhecido numa batida policial de bordel por um soldado amarelo, que exibiu uma precatória chegada da Bahia. Turíbio Soberbo e Dinotério confabulam planos de criar peixe-leiteiro no rio São Francisco e tomam a estrada, embarcados numa viação coletiva que os levaria àquela cidade ribeirinha.
Longe dali, a fazenda Campo Grande tornou-se apenas uma interrogação. Nada ficou no lugar, senão  alguns recortes da história. 

 ***
Adalberto Lima, trecho de "Estrela que o vento soprou."
Imagem: Internet.
Adalberto Lima
Enviado por Adalberto Lima em 03/12/2017
Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 0Exibido 34 vezesFale com o autor