Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
88 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 55322 )
Cartas ( 21071)
Contos (12177)
Cordel (9605)
Crônicas (21333)
Discursos (3113)
Ensaios - (9920)
Erótico (13145)
Frases (40227)
Humor (17570)
Infantil (3576)
Infanto Juvenil (2310)
Letras de Música (5418)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (135943)
Redação (2881)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2375)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4238)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->Boi de invernada (miniconto) -- 04/12/2017 - 17:02 (Adalberto Antonio de Lima) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos








A boiada atravessa o rio Verde a nado. Adiante, Montes Claros é toda avistada. O gado passa em desfile na cidade. Vira a cara em continência para a mulher que tem  um menino nos braços. Gente havia que fechava as portas com medo. E abria janelas para ver a boiada passar. O velho Maximiano estima: ‘Lota dois trens... ’ Veríssimo calcula por baixo: ‘Maximiano errou. Só lota um. Já reparou quantos vagões tem o trem?’ 
Distraído, o pavão de Walkiria vira pasta entre os casos dos bois. Ninguém cobra  a conta. O gado passa. Passa boi. Passa boiada. Só saudade de boi não passa. 
 
O berrante cadencia o passo 
O boi  faz a estrada
Evem a boiada do Gorutuba
Suando o ribeiro que bebeu
A pastagem vem na carne:
Uma tonelada em cada boi
Tira o pé do chão, Diamante!... 
Afasta,  Pimenta-de-nico... 
Avante,  Lampião!
Vai  Corisco!...
Sai, Angico!...
 
 
Ê boi,  ê boi...
Ê boi bom cara pintada 
Ê boi, ê boi...  
Ê boi bom, pega a  estrada
 
Vai Samburá...
Sai, Boto-cor-de-rosa...
Avante, Ouro fino...
 Arreda, Caxangá!...
Abre a porteira,  menino!
Que a boiada vai passar.
Bôooi!
 
— Com certeza, teu avô Generoso escreveu este poema, e já o fez musicado.
— Talvez sim. Talvez não. Mas... Muito tempo depois da morte dele, o  poema ‘Saudade em Boi’  foi gravado por uma dupla sertaneja que não conseguiu romper as barreiras do anonimato. Se meu avô fosse vivo, provavelmente, não reconheceria a obra como sua. Mudaram aqui, mudaram  ali. Mudaram até o título ‘Saudade em Boi’ para ‘Saudade de Boi’. Mesmo assim, convenhamos, depois do último verso, quando o berrante tocou, o Vaqueiro sentiu saudade de boi, e o boi  sentiu saudade de vaqueiro. 
— Dizem que ‘Saudade em boi’ é  coisa que vem da obra de João Guimarães.  Acaso,  boi sente saudade?
— Boi sente. Chuvisco arrebentou a cerca e fugiu em disparada à procura de Onofre. Pelo sim, pelo não, deixemos de lado as intervenções. A boiada precisa chegar em Montes Claros.
E foi. 
O boi de invernada rompeu estrada, no passo e compasso da toada do vaqueiro.
João Velho vai no coice. Tocando o boi. Boi de invernada conta a ponte que passa; o poste, o pasto, tudo passa na vida do boi. Passa boi, passa boiada. Só saudade de boi não passa.

O berrante cadencia o passo. O boi faz estrada. “Ê boi,  ê boi... ê boi bom  cara pintada. Ê boi, ê boi... Ê boi bom, pega a  estrada. Bôooi...”
 
A boiada avança rumo ao curral da ferrovia. Lança pedras com os cascos  na calçada, e segue apressada para a morte — sorte de boi. Pesado na balança. Cada quilo... E ainda se diz que é caro o quilo do boi. É caro, quando a carne é fraca.Também é caro o ovo da galinha. Ela põe dezenas deles e em paga,  ganha o milho, e o abraço apertado do galo... O galo nica, beija e bica a cabeça da galinha. Isso é que é carinho! Depois ela vai ao ninho, chocar ovo. Cria a pintainhada e a defende do gavião. Medroso, o galo se esconde, como muitos maridos.  Até Adão se escondeu atrás de Eva, depois que comeu do fruto proibido. 
 Devagar, rompeu a boiada, cortando a estrada de  Juramento a Montes Claros, e naquele mesmo dia, embarcou lotando muitos vagões do trem. Duas malas de dinheiro o fazendeiro leva pra casa. Depois da paga, vaqueiros vão à farra, endinheirados, beber cachaça  e vadiar com mulheres no cabaré de Montes Claros. Cláudio Manuel Constâncio, o Pururuca, foi preso numa batida policial de bordel por um soldado amarelo. Turíbio Soberbo e Dinotério confabulam planos de criar peixe-leiteiro no rio São Francisco e tomam a estrada em um transporte coletivo que os levaria àquela cidade ribeirinha. 
Longe dali, a fazenda Campo Grande tornou-se apenas uma interrogação. Nada ficou no lugar, senão  alguns recortes da história. 
 
...cibório de nervos e memória
tensa, coberta de sangue...(Cid Teixeira)
 
Exangue, Campo Grande  se esvai. Vai um dia, outro vem. E tudo passa. Passa o tempo. Passa o ano e deixa vestes amarrotadas. Poeira na estrada, vincos e marcas profundas de tristeza e dor. E neste vaivém, a hora se perde no tempo. Soprada pelo vento, a estrela se apagou, ou renasceu? 


***
Adalberto Lima, trecho de "Estrela que o vento sorprou."
Imagem: Internet






Adalberto Lima




Enviado por Adalberto Lima em 04/12/2017

Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 28 vezesFale com o autor