Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
144 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56252 )
Cartas ( 21113)
Contos (12465)
Cordel (9813)
Crônicas (21743)
Discursos (3121)
Ensaios - (9964)
Erótico (13194)
Frases (41312)
Humor (17661)
Infantil (3600)
Infanto Juvenil (2327)
Letras de Música (5443)
Peça de Teatro (1312)
Poesias (136788)
Redação (2885)
Roteiro de Filme ou Novela (1048)
Teses / Monologos (2379)
Textos Jurídicos (1916)
Textos Religiosos/Sermões (4466)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->Lenda da Cigana do Unicórnio do Amor(Corrigida) -- 20/01/2018 - 14:05 (Luciana do Rocio Mallon) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Lenda da Cigana do Unicórnio do Amor
Na Idade Antiga, existia uma cigana, chamada Virgínia, que desde criança era órfã de pai e mãe, que morreram de doença. Por isto ela foi criada pela sua avó, Sônia, dentro do seu clã nômade. Um dia Sônia ficou muito doente. Então Virgínia foi para a floresta e fez a seguinte prece:
- Santa Sara, por favor, faça com que minha vó continue ainda viva por mais dez anos. Em troca, prometo que não deixarei homens encostarem em meu corpo e nunca me casarei. Assim ficarei invicta para sempre.
Quando a jovem chegou ao seu acampamento viu que sua vó melhorou e já estava de pé.
Virgínia, que era ótima costureira, passou a confeccionar anáguas para vender e ela mesma passou a usar sete anáguas embaixo de sua saia rodada. Além disto, ela começou a utilizar um cinto de castidade. Pois como gostava de passear muito por matas fechadas, tinha medo de ser abusada por homens que se escondiam nas florestas, como vickings e saqueadores, por exemplos.
A partir da cura da sua vó, Virgínia que gostava de brincar com animais nas florestas, também passou a receber visitas de outras criaturas, os unicórnios, porque eles só se aproximam de moças que sonham em se manter virgens para sempre.
Numa tarde de primavera, um agricultor chamado Alexandre avistou esta cigana brincando com os unicórnios e se apaixonou por ela. Mas quando tentou se aproximar da donzela, os unicórnios expulsaram este rapaz do lugar.
Depois o moço tentou conversar com Virgínia quando ela estava, na estrada, caminhando para vender anáguas na aldeia. Porém ela simplesmente ignorou o moço.
Assim o rapaz começou a se lamentar na mata:
- Eu queria tanto que a cigana dos unicórnios se apaixonasse por mim!
Como um sopro, uma fada apareceu vestindo um tutu de bailarina colorido, um arco com flores nos cabelos e chifre de unicórnio na mesma tiara:
- Eu posso realizar seu sonho!
- Mas, precisarei transformar a sua pessoa em um unicórnio.
O moço exclamou:
- Aceito!
A fada explicou:
- Porém tem um detalhe: você nunca deverá aparecer para a cigana nas tempestades.
O rapaz acenou com a cabeça e a fada transformou este ser num unicórnio.
Naquela mesma tarde, Alexandre no formato de unicórnio, avistou sua amada colhendo flores. Assim ele ficou atrás da moça que , de repente, caiu no chifre dele. O chifre penetrou as anáguas e o cinto de castidade da jovem de uma maneira sobrenatural. Porém ao invés da moça sentir dor, ela deu um sorriso contente e depois beijou o unicórnio.
Por isto esta criatura mítica passou a se encontrar com Virgínia todas as tardes. Num dia destes, como um raio, começou a chover. Então o unicórnio transformou-se em homem, novamente, na frente da amada. Porém ela não se assustou e reza a lenda que os dois continuam juntos até hoje, no astral, rodeados de unicórnios e flores.
Luciana do Rocio Mallon






Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui