Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
135 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56607 )
Cartas ( 21127)
Contos (12502)
Cordel (9854)
Crônicas (21849)
Discursos (3121)
Ensaios - (9995)
Erótico (13199)
Frases (41605)
Humor (17731)
Infantil (3604)
Infanto Juvenil (2329)
Letras de Música (5448)
Peça de Teatro (1312)
Poesias (137018)
Redação (2886)
Roteiro de Filme ou Novela (1049)
Teses / Monologos (2381)
Textos Jurídicos (1917)
Textos Religiosos/Sermões (4497)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->MEU PRIMEIRO PRESENTE PARA IEMANJÁ -- 04/02/2018 - 00:57 (Dalva da Trindade S. Oliveira (Dalva Trindade)) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Número do Registro de Direito Autoral:153791731297372500

                  MEU PRIMEIRO PRESENTE PARA IEMANJÁ



Dia 2 de fevereiro é o Dia dedicado à Rainha do Mar, Iemanjá.

Dizem que ela gosta de praieiros...  Sou baiana, gosto de praia e adoro o mar.

Em um Dia da sua Festa, eu estava no Bairro do Rio Vermelho, em Salvador, de onde saem de barcos os pescadores e muitas pessoas, com a procissão marítima, levando os presentes  para oferecer a Iemanjá.

No alto de uma grande rocha, em uma pedra
onde as ondas não batiam e mal rolavam restos de espuma das que quebravam no paredão, eu estava de branco, em pé, olhando o mar, próxima a muita gente.

Disfarçadamente, joguei uma pequena rosa de prata no mar para ela e rezei.

Roupa branca e presente... Coisas que nunca fiz antes.

De repente, fui encoberta por uma onda que, não sei como, chegou ali. Por muito pouco não caí no buraco das pedras, lá embaixo.

Estupefata, toda encharcada de água do mar e ainda muito assustada, vejo as lindas baianas bem vestidas e os senhores de Terreiros, todos de branco, andarem em minha direção, desejando que tivesse acontecido com eles o que me aconteceu.

Olhavam-me como se eu fosse uma pessoa especial que tivesse sido escolhida e  abençoada pela própria Iemanjá, dizendo: - Minha filha, minha mãe gostou de você.

Olhava-os, sem graça, e andava de ré... Foram muitos passos até me afastar; depois, corri para a barraca onde estavam meus amigos.

No primeiro dia que me caracterizo toda e ofereço, envergonhada, um pequeno presente à Rainha do Mar,  quase (foi o que senti), ela me levou com ela.

Terminado o susto, secada a roupa, o tempo passado, percebi que meu respeito pelas águas aumentou, que elas continuam me fazendo muito bem e que gosto da Mãe das Águas.

Resta-me saudá-la no idioma que aprendi e é tradicional:
Odoyá, Iemanjá!

      Dalva da Trindade de S. Oliveira
             (Dalva Trindade)
                   03.02.2018

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 3Exibido 286 vezesFale com o autor