Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
47 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56594 )
Cartas ( 21157)
Contos (12595)
Cordel (9988)
Crônicas (22114)
Discursos (3130)
Ensaios - (8904)
Erótico (13337)
Frases (43011)
Humor (18284)
Infantil (3717)
Infanto Juvenil (2551)
Letras de Música (5461)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (137837)
Redação (2909)
Roteiro de Filme ou Novela (1054)
Teses / Monologos (2386)
Textos Jurídicos (1921)
Textos Religiosos/Sermões (4641)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->Lenda da Expressão Fulano Se Finge de Morto Para Pegar o Cov -- 03/11/2018 - 17:01 (Luciana do Rocio Mallon) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Lenda da Expressão Fulano Se Finge de Morto Para Pegar o Coveiro
Reza a lenda que, na Idade Média, existia um agricultor solteiro, chamado Rogério, que era apaixonado pelo coveiro da vila, Ricardo, que também era solitário. Porém bebia muito à noite, além de ser sonâmbulo e morar num puxado aos fundos do cemitério.
Mas Rogério tinha vergonha de confessar o seu amor com medo da homofobia de época. Pois os homossexuais comprovados eram mortos na fogueira ou na forca pela Inquisição.
Assim o agricultor se fingiu de morto e foi enterrado no campo-santo. Porém, à noite, ele saiu do túmulo, se vestiu de mulher e entrou na casa do coveiro que estava bêbado e em estado de sonambulismo.
Assim, Rogério fingiu que era uma moça e confessou o seu amor, que foi correspondido.
Deste jeito, de dia o rapaz trabalhava na sua propriedade rural e à noite se vestia de mulher para seduzir o coveiro.
Numa madrugada os dois beberam demais. Por isto demoraram para acordar. As pessoas, preocupadas, arrombaram a porta da casa de Ricardo e pegaram o coveiro dormindo com o agricultor vestido de mulher. Então uma das beatas exclamou:
- O Rogério não morreu!
- O Diabo está solto porque ele voltou como mulher!
- Fogueira nos dois!
Mas Rogério exclamou:
- A culpa foi minha!
- Eu me fingi de morto e me vesti de mulher para conquistar o coveiro!
- Ele é inocente.
Então amarraram o agricultor no pilar e lançaram fogo. No mesmo instante que seu corpo foi sendo queimado, moedas de ouro saíram das chamas.
No mesmo instante um pássaro voou e comentou:
- No futuro muita gente se fingirá de morta para se aproveitar o coveiro.
Luciana do Rocio Mallon





Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui