Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
92 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56713 )
Cartas ( 21128)
Contos (12517)
Cordel (9864)
Crônicas (21893)
Discursos (3121)
Ensaios - (10000)
Erótico (13200)
Frases (41707)
Humor (17749)
Infantil (3605)
Infanto Juvenil (2334)
Letras de Música (5448)
Peça de Teatro (1312)
Poesias (137073)
Redação (2886)
Roteiro de Filme ou Novela (1049)
Teses / Monologos (2381)
Textos Jurídicos (1917)
Textos Religiosos/Sermões (4520)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->Lenda do Bugio Que Arranca o Couro Cabeludo(Corrigido) -- 15/11/2018 - 17:03 (Luciana do Rocio Mallon) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Lenda do Bugio Que Arranca o Couro Cabeludo das Pessoas
Anos atrás, na época do Brasil-Colônia, havia uma tribo indígena. Lá nasceu um menino, sem cabelos, chamado Moacir. Ele cresceu saudável, porém cabelos nunca apareceram nele. Por isto o pobre sofria discriminação de outras pessoas. Desta maneira este rapaz passou a invejar todas as criaturas que tinham cabelos.
Um dia ele se apaixonou por Nara, uma índia da mesma tribo. Porém ela namorava um rapaz de cabelos volumosos e compridos.
Numa tarde, Moacir foi chorar na beira de um rio e desabafou:
- Já que não posso ter cabelos e nem a mulher que amo, gostaria de me transformar num animal.
A Iara escutou tudo e disse:
- Tenho como transformar você num bicho e aliviar sua dor.
Assim esta sereia transformou o rapaz num bugio, que voltou observar a sua aldeia.
Numa noite ele ficou revoltado e arrancou o couro cabeludo de quase toda a tribo. Então o pajé foi convocado e fez uma magia para afastar o causador da tragédia.
Moacir se afastou, mas convenceu alguns bugios a arrancarem os couros cabeludos de outros humanos durante a noite.
Reza a lenda que as pessoas que moram perto de lugares como: parques, florestas e sítios devem fechar portas e janelas às cinco da tarde para evitar que alguns bugios revoltados, comandado pelo espírito de Moacir, entrem em seus quartos e arranquem seus couros cabeludos à noite.
Porém o ideal é que o ser humano não invada o espaço dos animais.
Luciana do Rocio Mallon



Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui