Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
119 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57046 )
Cartas ( 21138)
Contos (12550)
Cordel (9897)
Crônicas (21966)
Discursos (3125)
Ensaios - (10064)
Erótico (13239)
Frases (42236)
Humor (17932)
Infantil (3638)
Infanto Juvenil (2392)
Letras de Música (5453)
Peça de Teatro (1313)
Poesias (137394)
Redação (2894)
Roteiro de Filme ou Novela (1050)
Teses / Monologos (2382)
Textos Jurídicos (1918)
Textos Religiosos/Sermões (4545)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->Jesus na Lusitânia -- 05/02/2019 - 22:04 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Jesus na Lusitânia

Quando sua terra natal começou a ser infestada pela praga do zevangelismo, Jesus resolveu pregar noutras plagas. Ao sair de Jerusalém, tendo pego visto na Embaixada dos Estragos Zunidos, afirmou categoricamente que esperava que o Messias, em nome da paz, não se precipitasse em estabelecer Embaixada ali. Os palestinos podiam reviver seu gigante Golias e fazer estrepolias antes que Davi deixasse a presidência do Senado romano e lhe fizesse frente com a inconfundível funda mais uma vez...

E Jesus, evitando o Egito que andava coberto de pragas ainda lançadas por seu Pai, rumou norte...sempre atraindo turba e mais turba com a sua sedução e milagres de montão, curando cegos, coxos, surdos, mudos, paralíticos e para-políticos...

Atravessou o Líbano, a Síria - chegou a visitar Aleppo em seus bons tempos - a Turquia, a Grécia pre-socrática, onde provou das famosas passas de Corinto, cruzou a Itália, a França, a Espanha, e chegou a Portugal com o fito de juntar-se à turma de Cabral, como reles grumete, para a honra e glória de descobrir a América.

Mas, contudo, porém, todavia, entretanto e no entanto, ao pisar no solo português deu-se de cara com uma turba-malta enorme de varões que de pedras à mão, e vociferando cada palavrão, queria porque queria lapidar uma rapariga a quem acusavam de adultério. Jesus, com sua habilidade costumeira, gritou um alto lá, na mais castiça língua de Luiz Inácio Camões.

Tudo parou, tudo se congelou, desde o início de seu sermão, cujo tema era simplesmente, o perdão - em oposição ao paredão. Sua fala, que podia ser ouvida por crianças tanto dentro quanto fora da sala, foi algo de magnífico. Todos, todos os algozes e circunstantes deixaram cair suas pedras, e lágrimas que chegaram a formar enxurradas no ressequido solo do Algarve.

Era bela demais a fala do Mestre. Seu erro contudo deu-se no arremate, quando todos já se dispunham a perdoar e a partir para suas casas, roças e vinhas, quando proferiu:

- E agora, aquele que nunca errou que atire a primeira pedra!

Foi infeliz...mal terminou a frase, ouviu um zunido à sua esquerda. Era uma pedra avantajada, que com a velocidade de um meteorito atingiu a fronte da pobre acusada e a projetou inerte, morta e acabada, sangrando em profusão...

Jesus mal acreditou no que via...e indignado, furibundo, virou-se para a esquerda e viu um senhor a esfregar as mãos, a quem bradou, em tom acusatório:

- Mas como, irmão, o senhor nunca errou?

Ao que o já erado cidadão bradou de volta em alto brado:

- Não querido e amado Mextre, dexta dixtância, jamaix!!!
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 24Exibido 13 vezesFale com o autor