Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
36 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56827 )
Cartas ( 21161)
Contos (12584)
Cordel (10012)
Crônicas (22151)
Discursos (3132)
Ensaios - (8955)
Erótico (13388)
Frases (43348)
Humor (18383)
Infantil (3751)
Infanto Juvenil (2630)
Letras de Música (5464)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (138025)
Redação (2918)
Roteiro de Filme ou Novela (1053)
Teses / Monologos (2394)
Textos Jurídicos (1923)
Textos Religiosos/Sermões (4766)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->Garanhão no cio -- 25/02/2019 - 14:00 (Adalberto Antonio de Lima) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos









 



A Vila Mimosa, popularmente chamada VM, tornou-se conhecida, graças  à mania brasileira de expor suas mazelas. Mas, Morgana e Ravenala não  viram as imagens feitas pela TV  em que Ramayana, a ex-colega do Colégio Marista, dá testemunho da vida de prostituição que leva naquele bordel.
Ravenala acabara de fechar a loja, quando seu celular toca. A voz de Ramayana  fez-se ouvir do outro lado da linha.
— Vamos à Lapa hoje?
— Não.
— Vamos, menina, tira esse manto de virgem vestal! Chega de respirar fumaça de velório, precisas arejar a cabeça. Faz tanto tempo que tua mãe morreu...
— Não gosto do barulho excessivo  das danceterias.
— Vamos  nessa! A Morga vai.
Ravenala foi ao baile funk com um grão de sal debaixo da língua e uma folha de arruda na orelha.
A banda tocava a muitos decibéis acima do suportável pelo ouvido humano e Ravenala não conseguiu ficar muito tempo no baile.  Saiu levando Morgana ou Morgana levando-a, porque voltara de carona com a filha do  bicheiro.
— Não achaste estranho o nome da boate, indagou Morgana, enquanto o motorista conduzia o cadilac vermelho-acetinado da família Castro.
— Nome? Não reparei. Que nome?
— KISS.
— Para mim, kiss  significa beijo. Nada mais do que isso. Mas, não me arriscaria muito na tradução do inglês.
— Em princípio, seria beijo. Se KISS não fosse sigla da banda  Cavaleiros a Serviço de Satã. Tradução do inglês Knight In Satan Service.
— Virgem Maria! Cruz credo. Não volto mais lá.
— Nem eu!
O Rio de Janeiro, já não era  mais criança, e  a contagem dos últimos tempos se inicia:  o rio se afoga, o fogo se queima, a mata agoniza, e  o arco-íris bebe água na miragem. A Cidade Maravilhosa exibe os filhos da noite e o  pecado desfila  revelando os sinais da parusia: homem vestido de mulher, e mulher vestida de homem — gêneros ocultos nas veste e na fala — homens com peito de silicone, e mulheres com trejeitos de homem desfilam na noite.
Às dez horas, Ramayana chega à casa de Ravenala, numa brasília amarela, dirigida por Leonardo.
— Vamos dar um rolê por aí, menina!
— Naquele lugar que fomos na semana passada, não vou!
— Quero que conheças a Vila Mimosa.
— Vila Mimosa? Nunca ouvi falar!
— Por isso mesmo. Quero que conheças... Vamos!
— Por que não me avisaste antes?
— Telefonei, mas não atendeste!
—Entre, minha deusa — disse Leonardo.
Durante os primeiros quinze minutos, o veículo se deslocava a uma velocidade assustadora.
— Entramos  na  rua Ceará, na hora certa, de agora em diante, o paiol pega fogo.
A voz do motorista queimava como lava brotada das profundezas  do inferno. Ravenala gelou  com a visão que teve: mulheres tatuadas, seminuas, fervilhavam nas calçadas e portas de bares da Vila Mimosa, uma delas disse em voz alta:  “Paga só dez reais  por um beijo. O serviço completo na cama é vinte.” 
Os sete pecados capitais tremeram. Leonardo mordeu os freios, como se fosse acorrentar Ésquilo.
Ravenala  gritou:
— Pelas sete chagas de Jesus, não pare!
—Pare! — disse Ramayana. 
Lentamente o carro seguia, desviando-se de transeuntes. Adiante, na calçada da direita, uma prostituta tirou a parte de cima e balançou os seios para Leonardo... 'Vamos fazer amor, meu bem?...’ Distraído, o motorista atropelou um bêbado que atravessava a rua. Duas mulheres arrastaram o corpo do homem e o lançaram no matagal. ‘Este aqui, amanhã tá fedendo!’
 As cenas que Ravenala via lembravam a descrição que o padre Davi  fazia do inferno. Ela mesma se sentia no inferno e já não tinha certeza se o que via era real, ou imagens formadas em sua mente por um surto de medo. Naquele instante, um homem estendeu a mão. “Pare!”  E a brasília amarela parou. O motorista que transportava almas para o inferno desceu do carro e  fugiu a pé. Ravenala sentiu-se como que suspensa, entre o céu e o inferno. “ Meu Deus, meu Deus!” Ela Não sabe por quanto tempo ficou em estado de choque, e quando deu acordo de si, outra pessoa ocupava o lugar que fora de Leonardo. Olhou o novo motorista e viu uma coroa de espinhos sobre a cabeça dele. O homem sorriu docemente: “Vou te levar pra casa, minha filha.” 
Talita Ravenala acordou já  em casa, e, no outro dia, ficou sabendo que Ramayana fora apanhada pela ronda do tenente Durão. Não adiantaram os protestos: “Sou filha de oficial.” O tenente Durão era aroeira-de-sete-cascas e não levou em conta a paternidade da moça. Ramayana  curtiu seis meses de cadeia, em presídio feminino no Rio de Janeiro. Ela conquistou sua liberdade mediante o arrolamento de falsas testemunhas, e a contratação de um advogado conhecido por Diabo Louro. Mas, depois de liberta, a liberdade de Ramayana durou poucos dias, numa certa noite do mês de agosto, um velho gritou na rua Ceará: ‘Mataram uma mulher na Vila Mimosa.’
 Conchita e Leonardo caminham ocultando seus vultos cambaios, ela cobria suas carnes com um vestido amarelo-palha em frangalhos, na boca tinha um cigarro apagado, e à cintura uma bolsa com peças íntimas e três  pedras de craque. A noite era escura como o negrume de suas almas.
A notícia da morte de Ramayana  foi divulgada na “Folha da Madrugada”, um periódico  de poucas páginas, vendido nos semáforos por um quarto de real. Robert ficou sabendo  do falecimento da ex-colega do Marista, através de informação de Ravenala, que ao noticiar o fato fez-lhe um convite:
— Quero que venha  comigo a um sarau!
— Sarau?
— Uma tertúlia. Tenho um projeto literário e gostaria que você  o examinasse.
—Bem, então este é o sarau?
— Não exatamente. O sarau acontecerá na chácara de Alice em Petrópolis. Ela vai lançar um livro.
— Alice? Nossa  ex-professora ?
— Sim, ela mesma!
– Menina, veja para onde está me levando...
— Por quê?
— Como livros. Fico horas na biblioteca, só olhando livros lidos, marcados, rabiscados com anotações, e data da leitura. Muitos deles com releitura e datas. Todo livro que leio, torna-se de consulta. Fico olhando, e às vezes riu. No ano de mil novecentos e pedrinhas que estava eu a fazer na vida, quando li este livro?
— Então, és o verme gordo que roeu os sete livros do Velho Testamento?
— Não sou nenhum Lutero!
— Brincadeira.
— Eu sei.
A semana passa devagar, os dias escorrem numa ampulheta do tamanho do mundo. Horas, minutos e segundos, escorregam  lentamente. O tempo caminha devagar... Não há pressa. No relógio da vida, a contagem é regressiva.
— Estás pronta? Telefona ele para Ravenala.
— O sarau é amanhã, menino. Parece que nasceste de sete meses!
Chegado o momento  Robert   toca o interfone, Ravenala, já o esperava. Surpreso, viu o livro de Alice na mão de Ravenala.
— Que privilégio é este?
— Amizade, meu caro! Amizade. Alice goza de minha amizade e conhece meu projeto. Sabe que me acompanharás na empreitada do livro que devemos produzir juntos. Isto é, se aceitares minha proposta.
— Como não!
— Alice ofereceu a chácara aos nossos encontro para enxugamento da obra. O lugar é  bonito e sossegado.  O sarau vai ser lá.
— Então, lá vamos nós...
Sentou-se ao volante. Estendeu a mão e destravou a porta do carona.
—Entre.
Ravenala esperava por gesto mais delicado. Mas não estranhou tanto, acostumada que era de ver seu pai agir do mesmo jeito com a mãe dela. Silenciosos e sem diálogo algum, seus pais conviviam como se cada um fosse uma pedra. Robert  liga a  setas para a esquerda, engrena a marcha e pisa leve no acelerador. Afastou-se cuidadosamente da cidade grande, e meia hora depois, já estava na estrada que leva ao sítio de Alice. Na serra orquídeas e bromélias, modificam o tom verde da paisagem com arranjos florais de variadas cores. Cai do galho que avança a faixa asfáltica, um minúsculo sagui. Atropelado, agoniza. Grita. E seu grito não alcança os ouvidos da floresta.
— Devagar. Pegue a vicinal. Faltam só dois quilômetros.
—  O sítio de Alice é perto assim?
— Hora e meia, apenas.
A casinha branca no pé da serra guarda uma ponte, bem no pongo do córrego, onde a princesa Mariana, outrora se banhava. Lá embaixo, lambaris deslizavam nas águas cristalinas do ribeiro. Fora da baia, o garanhão negro cobria uma égua no cio.
 — Linda! Disse Robert..
— Obrigada. Ouvir um elogio com o Sol ainda baixo eleva a autoestima.
— Estou falando da chácara, bobinha!
Ficou sem resposta. Sentiu a mão dele fazendo gracejos na bochecha dela, e pensou no garanhão negro que vira na manga, roçando o pescoço na crina de uma égua. Correu-lhe um calafrio.
Ravenala procurava descobrir outras verdades. E se Robert   fosse seu irmão? Em alguma coisa eles se pareciam: nariz curto, olhos amendoados e cabelos negros... Será que ele também briga com o espelho? Ela possuía dois espelhos no guarda-roupas: uma na porta da direita, outro na porta da esquerda. Em um deles se via bonita, mas no outro... E reclamava apontando o dedo para a própria imagem refletida no espelho:  ‘Menina, você está péssima hoje!’ A autossugestão penetrava profundamente no espelho de sua alma. E naquele dia, tudo se tornava feio para ela.

***
Adalberto Lima, trecho de "Estrada sem fim..."
Imagem: Internet








Adalberto Lima






Enviado por Adalberto Lima em 25/02/2019

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 52 vezesFale com o autor