Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
34 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56741 )
Cartas ( 21160)
Contos (12583)
Cordel (10007)
Crônicas (22136)
Discursos (3131)
Ensaios - (8937)
Erótico (13379)
Frases (43217)
Humor (18341)
Infantil (3739)
Infanto Juvenil (2601)
Letras de Música (5463)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (137961)
Redação (2915)
Roteiro de Filme ou Novela (1053)
Teses / Monologos (2388)
Textos Jurídicos (1922)
Textos Religiosos/Sermões (4729)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->Oração às moças -- 08/04/2019 - 00:41 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Há uma escola chamada Ruy Barbosa em Varsóvia. Sua fundação data de 1908 e, terá sido, a meu ver, uma homenagem prestada ao jurista e político brasileiro que brilhou na conferência universal da Haia - Holanda - em 1907. Ao lado de um alemão, também famoso, mas cujo nome me escapa aqui. A partir de sua fulgurante apresentação, Ruy passou a ser cognominado, em glória, como O Águia de Haia.

Em meus cinco anos vivido na capital da Polônia, de 1980 a 1985, testemunhei muitas transformações no país, sem ter aprendido propriamente o idioma local, e sem ter visitado o educandário referido. Minha mulher e filha, no entanto, desenvolveram bem a capacidade de comunicação na língua chopiniana, tanto pelo ouvido musical, quanto pela maior exposição a falantes do vernáculo. Em meu trabalho diplomático, a interlocução se fazia mais frequente e facilmente em português e em inglês, ou até em francês. Alemão e russo eram convenientemente desprezados.

Servi sob o comando de dois experientes Embaixadores, José Osvaldo de Meira Penna, e Armindo Branco Mendes Cadaxa. Cada um com seu estilo, suas habilidades e semelhante determinação por bem servir os interesses nacionais. O convívio com Meira Penna foi de menos de um ano e seu afastamento voluntário decorreu da discordância com empréstimos feitos à Polônia em condições facilitadas, que resultaram no episódio das polonetas. Altivo, conservador e intransigente, além de homem de posses, Meira Penna preferiu aposentar-se extemporaneamente. Foi autor de variada obra analítica, centrada na análise de psique coletiva do homo brasilis. Um paralelo que sua obra suscitava - a mim, pelo menos - é com Gilberto Freyre. Era correspondente do Jornal do Brasil e seu pensamento se encaixaria nos pendores de um Plínio Salgado ou de um Gustavo Corção. Viveu exatos cem anos.

Cadaxa, seu sucessor, chegou a Varsóvia em maio de 1982, procedente da Embaixada em Kingston, Jamaica. Tinha vocação literária 
mais para a poesia, que compunha em língua inglesa. Almejava um romance, que poderia ser o coroamento de sua vida nas letras, e cometeu seguidos capítulos nos seus tempos varsovianos. Donina, era o título que encarnava a vida dalguma musa de tempos remotos.

Demais, Cadaxa era fã de palavras e expressões de efeito, e de pouco uso em nosso linguajar, oral ou mesmo escrito, tais como escarmentar, à socapa, à sorrelfa, espadanejar, e outras preciosas gemas que me não vem de imediato...

Mas vamos à escola Ruy Barbosa: Cadaxa foi convidado a proferir conferência para o corpo docente e o discente do dito educandário, que era composto essencialmente de donzelas adolescentes. Dos três auxiliares diplomáticos de que dispunha, a escolha para a preparação do discurso, recaiu sobre o mais júnior entre nós, o Terceiro Secretário Jorge Karl de Sá Earp, responsável pelo Setor Cultural da Missão e que já dispunha, em sua bagagem, de duas ou três obras publicadas. Após receber as instruções específicas do palestrante, Jorge confidenciou-me que faria um texto baseado na Oração aos Moços, peça essencial na obra de Ruy.

O texto, vazado em português mereceu poucos reparos do Embaixador, apreciador contumaz de obras literárias. Jorge acompanhou Sua Excelência à escola naquela solene ocasião. E voltou encantado com a reação viva e interessada das moçoilas todas as vezes que o Embaixador, enfatizando sua fala, pronunciava o nome de Ruy. E, embora me falhe aqui o melhor conhecimento da língua polaca, sobretudo seu jargão, algo pronunciado como Ruy quer dizer o órgão da virilidade masculina.

Ruidosos aplausos encerraram a sessão.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 24Exibido 71 vezesFale com o autor