Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
118 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56837 )
Cartas ( 21161)
Contos (12584)
Cordel (10016)
Crônicas (22154)
Discursos (3133)
Ensaios - (8956)
Erótico (13388)
Frases (43357)
Humor (18384)
Infantil (3751)
Infanto Juvenil (2630)
Letras de Música (5464)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (138035)
Redação (2918)
Roteiro de Filme ou Novela (1053)
Teses / Monologos (2394)
Textos Jurídicos (1923)
Textos Religiosos/Sermões (4771)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->Conto preocupante -- 20/06/2019 - 10:51 (Pedro Carlos de Mello) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

Conto preocupante

 

            Meu marido escreve. Mas isso não lhe basta. Ele quer ser lido, é óbvio, quer ser reconhecido. Eu até acho que ele escreve bem. O último conto dele, por exemplo, Carta encontrada no bolso de um suicida, é muito bom. Tão bom que até fiquei com medo. Medo de que pudesse ter um fundo de verdade.

            Nesse conto, Carlos escreve sobre uma carta ao escritor Josué Palácios (ficção), onde relata todas as suas tentativas de contato com os escritores, sempre infrutíferas ou insatisfatórias (realidade). Acontece que, valendo-se dessas negativas, ele escreve sobre sua frustração e que não vê motivos para continuar vivo. Para comprovar isso, a carta é encontrada no seu bolso, depois de pular do 10° andar de um prédio de escritórios em Brasília (ficção).

            Após ler o conto, o alarme soou na minha cabeça. Se eu entendesse que os argumentos levantados para o suicídio fossem fracos, o conto seria classificado como ruim. Como achei o conto bom, será que os argumentos, que achei igualmente bons, e que, no caso, são verdadeiros, não levariam também a um desfecho verdadeiro? Isto é, o suicídio, relatado como ficção, não poderia estar sendo pensado por ele como uma hipótese real?

            Apreensiva, resolvi ficar atenta. Carlos não dava demonstração nenhuma de que alguma coisa estivesse anormal. Ele dava continuidade à sua rotina, como sempre. Lia, escrevia, ia ao cinema, levava e trazia nosso filho das suas várias atividades. Isso, em vez de me tranqüilizar, aumentou minha desconfiança. Pensei que ele poderia estar agindo assim para não dar a conhecer suas verdadeiras intenções. É claro que, se eu manifestasse diretamente a ele minhas preocupações, sua resposta de nada me valeria. Ele riria e diria: realmente eu escrevo bem, já que minha ficção lhe parece tão real. Ele jamais diria: Sim, meu amor, estou pensando em me suicidar. Portanto, falar com ele sobre o assunto está descartado.

            Que posso fazer, então? Resolvi que deveria envolvê-lo com outras coisas. Se ele estivesse pensando em suicídio, talvez isso o demovesse da idéia. Se não, mal não faria. Eu teria que fazer algo que estivesse ao meu alcance e incentivá-lo a fazer outras atividades de que ele gosta além de escrever.

            Primeiramente, resolvi ir ao salão de beleza e deixar-me mais bonita aos seus olhos. Sei que ele é bastante sensível a isso. Acho que é mais difícil um homem se suicidar tendo uma mulher bonita, disponível e carinhosa ao seu lado. Além disso, eu o estimularia a viajar, a ir a exposições de arte, a participar de feiras de livros. Eu ainda estou trabalhando, tenho minhas restrições. Mas ele, que está aposentado, pode dar-se ao luxo de viajar a qualquer época do ano. Claro que eu vou ficar em casa morrendo de inveja. Mas, como é por uma boa causa...

            Depois de fazer algumas pesquisas na internet, onde encontrei ótimas opções, que, com certeza, iriam agradá-lo, comentei com ele:

            – Carlos, fiquei sabendo de duas belíssimas exposições de arte que estão sendo apresentadas na Europa: uma, em Paris, no Museu de Luxemburgo, O Renascimento e o sonho, em que serão exibidas obras de grandes pintores, como Bosch, Veronese e El Greco; outra, em Madri, no Museu do Prado, As fúrias, da qual fará parte o quadro Prometeu Acorrentado, trabalho de Rubens e Snyders, vindo do Museu de Arte da Filadélfia. Você não gostaria de ir?

            Ele respondeu:

            – É claro que eu gostaria. Mas não estou entendendo. Sempre sou eu que fico procurando exposições para visitar. Quando vejo que posso programar para irmos juntos, em suas férias ou licenças, normalmente você aceita e lá vamos nós. Quando sei que você não poderá ir a alguma exposição que eu gostaria muito de ver, eu, muito humilde, carente e necessitado, quase um pedinte mesmo, me apresento a você com a sugestão de ir, ainda que sozinho e você normalmente diz sim (talvez sob o impacto implorante dos meus olhos), ainda que no seu íntimo você gostaria de ir junto ou que eu ficasse em casa. Agora, você está me oferecendo para ir? Você poderá ausentar-se do seu trabalho?

            – Não, Carlos, nesta época, não posso faltar ao trabalho. Estou sugerindo que você aproveite seu tempo livre de aposentado e vá. Será muito bom para você. Aliás, ainda tenho outra sugestão. Aproveite também e vá à Feira do Livro em Guadalajara. Você já foi outras vezes e gostou muito.

            – Oba, oba, oba! É incrível, meu amor. Não precisa repetir a oferta. Vou logo procurar as melhores opções de passagens e hospedagem. Eu estava um pouco desanimado mesmo. Confesso que escrever aquele conto Carta encontrada no bolso de um suicida me deprimiu um pouco, embora eu tenha procurado não demonstrar. Mas agora estou animado: Paris, Madri, Guadalajara, me aguardem. E, para comemorar, que tal tomarmos aquela garrafa de champanhe especial que você me deu de aniversário, a Dom Pérignon?

            Bem, acho que a situação está sob controle. Talvez ele não tenha efetivamente pensado em suicídio, mas apenas ficado chateado ao lembrar-se de tantas esperanças frustradas. Em contraposição, mostrei-lhe que a vida continua bela. Diante disso, que importa se os outros não lêem o que ele escreve? Azar dos outros.

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 2Exibido 34 vezesFale com o autor