Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
26 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56917 )
Cartas ( 21164)
Contos (12585)
Cordel (10041)
Crônicas (22162)
Discursos (3133)
Ensaios - (8972)
Erótico (13389)
Frases (43440)
Humor (18410)
Infantil (3757)
Infanto Juvenil (2644)
Letras de Música (5464)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (138081)
Redação (2919)
Roteiro de Filme ou Novela (1053)
Teses / Monologos (2399)
Textos Jurídicos (1924)
Textos Religiosos/Sermões (4807)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->VAGABUNDO -- 21/08/2019 - 20:08 (Carlos Rogério Lima da Mota) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

E o rapaz, de origem incerta, com uma humildade visual que comovia, da calçada, acompanhava aquele aglomerado de pessoas que, em meio às risadas, engolia copos e mais copos de café com bons pedaços de pães. Ele estava faminto, mas não conseguia adentrar a padaria para pedir alguma coisa, uma fatia de mortadela que fosse para saciar-se. Era uma vergonha sem fim que lhe brotava na alma, como se alguém fosse capaz de julgá-lo errado por pedir algo tão simples. Foi e voltou umas duas vezes, até que tomou coragem e, contrariando todos os seus princípios, adentrou a padaria, dirigindo-se a um senhor que estava no caixa.


_Pode me ajudar? Es...estou...estou com fome, muita...fome! Um pedaço de pão, por favor! Cheguei há dois dias do interior e perdi minha carteira na estação, onde estava todo meu dinheiro. 


Olhando-o com um ar de quem duvida da própria mãe, o homem, de quase dois metros de altura e pouco mais de 100 quilos respondeu, em meio a um deboche de causar náusea:


_ E eu tenho cara de otário, meu filho? Todo dia ouço essas histórias, uma pior que a outra – gargalhou com gosto. _ Então veio do interior? - debochou outra vez. Pois, para mim, tem cara de ser daqui e de quem vive de dar o golpe nos outros. Hum! 


_Nã...não senhor! Sou digno! Honrado! 


_Deixe de história, seu moleque! Isso aí até o Maluf diz, quero ver pra crer, porque na hora h, tudo o que diz não se sustenta. Honrado...faça-me o favor!


_Eu...


_ Pois saia daqui, sou um homem de negócios e não tenho tempo para gastar com tipos como você. Vá se embora! Vá, vá! Vá, antes que eu chame a polícia, seu vagabundo!


_Eu...eu...eu nã...- tentou explicar, sendo logo cortado pela avareza do comerciante.


_Caia fora já! Oh povo miserável, que faz qualquer coisa para não trabalhar. Saia, saia daqui já, SEU VAGABUNDO!


Com uma lágrima cortando a face, o rapaz abaixou a cabeça, cortou a avenida com o estômago a roncar, levando às costas uma pequena mochila desgastada pelo tempo. E caminhou mais algumas quadras, sem paradeiro. Que sina era aquela! Fez que ia cair quando uma mão o segurou, indagando:


_Você está bem, meu jovem? Parece pálido! – interpelou um senhor de uns sessenta e cinco anos.


_Sim! – resumiu-se.


 _ Acho que você não comeu hoje, certo? – investigou o senhor.


_Si...sim! Quer dizer, não! Mas eu... Eu estou bem! - afirmou, ainda que a face o desmentisse


_ Quer um lanche?


O rapaz resistiu; pudera, tinha medo de ser chamado outra vez de “vagabundo”.


_Venha, meu rapaz! Não tenha receio! Venha comigo! Posso ajudá-lo, sei que está com fome, veja esta palidez... Que dó! Venha...venha...quero ajudá-lo.


O rapaz admirou o gesto daquele homem e, ainda que receoso, aceitou o convite. Minutos depois, lá estavam eles, por uma cilada do destino, na mesma padaria, para o espanto do comerciante, que vozeou, sem qualquer pudor:


_ O QUE FAZ AQUI? JÁ NÃO LHE DISSE QUE AQUI NÃO É LUGAR DE VAGABUNDO?


_Vocês se conhecem? – interveio o idoso, horrorizado com a cena.


O rapaz fez que não com a cabeça.


_ É...bem...esse cara esteve aqui há pouco pedindo...


_ Pedindo? – entrecortou-o, o idoso. _ Que bom! Isso é sinal de caráter! Se fosse outra coisa, como afirma, na certa, teria cometido um furto, não é mesmo? – desdenhou.


Corado de vergonha, o dono da padaria não respondeu, optando por se afastar, ainda que mantendo os olhos fixos no jovem coitado.


_Não ligue, meu rapaz, esse tipo de gente é comum por aqui. Xenófobo de uma figa! Quer ir embora?


Como a fome o impedia de raciocinar,  lá permaneceram.


Quando o relógio da igreja próxima anunciou ser duas horas, todos foram surpreendidos por um assaltante, que invadiu a padaria aos berros.  Alguns clientes conseguiram fugir do lugar, já outros se abaixaram, em pranto, em meio às mesas, inclusive o jovem e o idoso. O comerciante, que de início pensou ser uma brincadeira, ao encontrar o brilho incessante do 38 do malandro, passou a implorar  ajuda a todos os santos, pois tinha mulher e filhos para sustentar. 


_Passe logo a grana, toda a grana, não deixe sequer uma moeda, senão estouro seus miolos. Vamos! – salivava o criminoso, como se dominado por algum entorpecente.


_Temos que fazer alguma coisa, coitado daquele homem – disse o jovem, profundamente compadecido, para a surpresa do idoso, que mal conseguia se mover de medo.


 _Mas... mas fazer o quê? Ele tem uma arma.


_VAMOS!!!!!!!!!!! PASSE TUDO!!!!!!!!!!!- esbravejava o meliante


 _Tenho...tenho...fi-fi-filhos e...e ... mulher para cuidar....por favor, não leve nada. Por favor! Por favor! Sou um homem honrado, temente a Deus, que gosta de ajudar o próximo.


_E EU COM ISSO? – retrucou o assaltante. _ TEM BURRO PRA TUDO! VAMOS, PASSE LOGO! VAMOS!


_Deixe o rapaz, ele precisa do dinheiro para cuidar da família...- pediu o jovem, com a mesma humildade de outrora, levantando-se.


_Abaixe, ele vai te matar – pedia o velho, puxando-o pelas calças ralas.


_ E QUEM É VOCÊ PARA SE INTROMETER, SEU VERME? JESUS CRISTO? SE FOR, JÁ VÔ AVISANDO, TENHO PASSAGEM DE PRIMEIRA CLASSE COMPRADA PARA O INFERNO– bradou o criminoso, apontando-lhe a arma. _ FALE!!! FALE!!!!


_Eu...eu...eu não sou ninguém!!!


_ENTÃO QUER LEVAR UMA BALA NO LUGAR DESTE MISERÁVEL? - indagou, apontando para o comerciante.


_Abaixe...abaixe...- desesperava-se o idoso._ Saia daí!

Antes mesmo que a resposta do jovem pudesse ser ouvida, uma bala rompeu seu peito, jogando-o contra uma parede lateral. E antes que o assaltante pudesse efetuar o segundo disparo, a polícia surgiu em cena e o rendeu com proeza, como nestes filmes que ninguém mais aguenta assistir na TV a cabo. A essa altura, o comerciante estava debaixo do balcão, fazendo as promessas que jamais cumpriria, enquanto o idoso, tomado pelas lágrimas, aproximava-se do pobre rapaz. 


_Ele está morto! – proferiu, com a voz embargada.


Ao revistar o bolso do malando,  os policiais encontraram uma carteira com a foto do jovem agora assassinado, para o espanto do padeiro, cuja consciência era condenada ao remorso eterno.


__ Mas o que isso? – inquiriu o oficial. _ Essa carteira é do ...


_ ...É do “vagabundo” que acabou de salvar a vida deste homem – completou o velhinho,  indignado, agora apontando para o dono do estabelecimento. É a primeira vez que vejo um “vagabundo” dizer a verdade e ainda salvar a vida de outro vagabundo. Incrível! Agora durma com essa, senhor comerciante! – sentenciou, com os olhos reluzentes de cólera, afastando-se do corpo. Conseguirá? Não queria estar na sua pele!


Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui