Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
127 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56110 )
Cartas ( 21113)
Contos (12442)
Cordel (9799)
Crônicas (21703)
Discursos (3120)
Ensaios - (9953)
Erótico (13192)
Frases (41207)
Humor (17642)
Infantil (3598)
Infanto Juvenil (2327)
Letras de Música (5440)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (136692)
Redação (2885)
Roteiro de Filme ou Novela (1047)
Teses / Monologos (2379)
Textos Jurídicos (1914)
Textos Religiosos/Sermões (4462)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->A CAMISOLA DE NEVE. -- 02/05/2008 - 09:53 (Maria Hilda de J. Alão) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos


A CAMISOLA DE NEVE


Maria Hilda de J. Alão.



Minha mãe andava de leve, ao despertar pela manhã, vestindo a camisola de neve, e nos pés trazia meias de lã. Usava um suave perfume que recendia a floridos jardins quando passava pelos corredores da casa.

Com sua mão de veludo acariciava a minha amada avó que, aos noventa e nove, brincava de roda e contava histórias.

Aproximava-se da janela de frente para rua, olhava para céu onde o sol despontava para esconder as estrelas e a lua, e agradecia a Deus com uma prece a felicidade que tinha. Depois, com sua voz macia, acordava seu grande amor para que ele fosse enfrentar mais um dia de labor.
Começava a azáfama na casa. Filhos, escola, almoço: leva, busca e faz.

O sorriso era constante. Sua marca registrada. O conselho era o chicote com que acertava os filhos quando estes a desobedeciam.

Eu, do alto dos meus dez anos, a observava. Queria ser como ela. Elegante, calma, uma imagem etérea. Nunca vi aquela bela dama dizer imprecações ou esmorecer diante dos desenganos. Sacudia os cabelos, fazia o sinal da cruz, para espantar o sofrer, e cercava de desvelos todos os filhos a crescer.

Assim, eu e meus irmãos, passamos da infância à adolescência, e depois à idade adulta, aprendendo com ela que a vida é uma escada que se começa a subir quando se nasce e que precisamos nos agarrar ao corrimão para não tropeçar e cair.

Se um dia viéssemos a cair, deveríamos nos levantar e empreender novamente a jornada, desta vez um pouco mais sábios, agarrando-nos com força ao que aprendemos e pisando firme no meio do degrau para evitar um novo tombo. Assim fez de nós homens e mulheres conscientes e cientes dos nossos deveres.

Um dia, todos nós, vestidos com negras roupas, que pareciam mais negras à luz do sol, acompanhamos meu pai a sua última morada. O pranto inundava o rosto de minha mãe. As lágrimas caiam em suas mãos espalmadas como gotas de chuva na terra seca. Mas a força dessa mulher se revelou mais uma vez. Foi como se um anjo lhe dissesse que depois da vida existe a vida e depois do amor um imenso amor.

Compreendeu e aceitou porque filhos e netos são uma “célula do homem amado”, disse. Nunca mais chorou de tristeza porque ao beijar seus filhos beijava o marido ausente.

Assim viveu minha mãe, iluminado ser, os anos que lhe restavam, aparando os golpes do relho da vida, mostrando o poder que sua alma tinha de tornar a família unida.
Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 27Exibido 707 vezesFale com o autor