Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
51 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56603 )
Cartas ( 21127)
Contos (12502)
Cordel (9854)
Crônicas (21849)
Discursos (3121)
Ensaios - (9994)
Erótico (13199)
Frases (41604)
Humor (17730)
Infantil (3604)
Infanto Juvenil (2328)
Letras de Música (5448)
Peça de Teatro (1312)
Poesias (137016)
Redação (2886)
Roteiro de Filme ou Novela (1049)
Teses / Monologos (2381)
Textos Jurídicos (1917)
Textos Religiosos/Sermões (4496)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Humor-->DEIXAR OU NÃO -- 05/11/2005 - 10:04 (Maria Hilda de J. Alão) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos


DEIXAR OU NÃO.

Maria Hilda de J. Alão.


- Deixa eu pôr, vai...
- Nada disso.
- Por quê? Eu garanto que não vai doer nada.
- Isso é o que todos dizem na primeira vez.
- Olha, eu juro que empurro bem devagar. Você não vai sentir entrar.
- Não? Olha só o tamanho da coisa!
- Não tema o tamanho, porque eu não costumo introduzir tudo. Basta a metade para injetar o líquido e quando ele se espalhar, você sentirá uma paz, uma tranqüilidade nunca antes sentida.
- Já disse que não.
- Não seja cabeça dura, você precisa disso urgente.
- Não se trata de ser cabeça dura, é que vai sangrar.
- Vai não, eu asseguro.
- Como você vai fazer?
- Assim, veja: eu tateio o lugar com o dedo, levanto o instrumento, ajeito a ponta, empurro devagarzinho, suavemente, você relaxa e quando se der conta já estará, dentro de você, a ponta liberando o líquido.
- Será que eu vou agüentar?
- Vai sim. Eu não costumo ser bruto nesses momentos. Sei o quanto é difícil para uma mulher a primeira espetada.
- Então vai. Empurra essa agulha na minha veia e aplica logo essa injeção de calmante.

05/11/05.




Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 27Exibido 2015 vezesFale com o autor