Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
86 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 55322 )
Cartas ( 21071)
Contos (12177)
Cordel (9605)
Crônicas (21333)
Discursos (3113)
Ensaios - (9920)
Erótico (13145)
Frases (40227)
Humor (17570)
Infantil (3576)
Infanto Juvenil (2310)
Letras de Música (5418)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (135943)
Redação (2881)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2375)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4238)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Erótico-->OS AMANTES -- 16/03/2007 - 20:52 (Maria Hilda de J. Alão) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

OS AMANTES


Maria Hilda de J. Alão.


Ele

Ora, não vás saindo à francesa.
Odeio as tuas nádegas redondas,
Tens-te como rainha da beleza,
Desejo-te comida por mil anacondas.

Ela

Metido! Orgulhoso dessa tua estatura,
Pareces um tronco desfolhado no inverno
À espera que um lenhador de má catadura
Decepe o teu “orgulho”, mandando-o ao inferno.

Ele

Pára de falar, ó gralha arrogante,
O “orgulho” sempre esteve sob a tua saia
Rígido, e tu de forma extravagante,
Fazias dele pingente no decote tomara-que-caia.

Ela

Isso porque esperava que ele fosse açoite,
Que me vergastasse a pele branca...
Coitado! Mal entrava na caverna à noite
Adormecia, eu digo isso de maneira franca.

Ele

Pudesse eu te algemar pelo pulso,
Ó geleira vinda de terras estranhas,
Levar-te-ia aos confins num impulso
Para o sol derreter tuas entranhas.

Ela

Num mar de inveja nadas e bóias...
Da força do teu despeito eu fico pasma,
Tuas palavras são o silvo de mil de jibóias,
Dessa masculinidade não vejo nem o fantasma.

Ele

A esta tua opinião a outra não adere,
Pergunta-lhe como sou nos lençóis mornos
Da cama onde à noite ela me fere
Com a língua no meu corpo todos os contornos.

Ela

Eu sabia que não eras nenhum monge,
E que sempre dormias no sul e no norte,
Mas o que não advinhas nem de longe
É que corno serás até a morte...

Ele

Nossa discussão já se estendeu demais.
Vem! Quero te dar um abraço gostoso.
As palavras só me excitam mais.
Vem! Sinto o meu “orgulho” nervoso.

Ela

Então, aquece com as mãos meus seios frios,
Aperta-me com a força dos teus braços
Porque no fim do ventre eu sinto calafrios
Só de pensar nos movimentos lassos

Do teu “orgulho” longo e potente,
Explorando a minha concha submissa
Como intruso que entra sorrateiramente
Numa capela proibida para ouvir missa.

Ele

Abre-te para mim como luz na neblina,
Este teu perfume suave me entontece,
Meu “orgulho” espera, da dama, a boca fina,
Para guiá-lo no mar do prazer, pois anoitece.


16/03/07.
Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 27Exibido 2230 vezesFale com o autor