Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
130 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56018 )
Cartas ( 21109)
Contos (12422)
Cordel (9783)
Crônicas (21648)
Discursos (3119)
Ensaios - (9949)
Erótico (13189)
Frases (41099)
Humor (17622)
Infantil (3597)
Infanto Juvenil (2324)
Letras de Música (5441)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (136582)
Redação (2884)
Roteiro de Filme ou Novela (1047)
Teses / Monologos (2382)
Textos Jurídicos (1914)
Textos Religiosos/Sermões (4451)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Humor-->Suzana e os mijões de rua -- 02/09/2005 - 09:36 (João Rios Mendes) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
A Suzana é uma amiga que sobe nas tamancas quando vê um sujeito com o carro parado na rua fazendo xixi, sem a menor cerimônia e consideração com as mulheres.

Depois que ouvi a Su falar da sua indignação, passei a observar esses mijões. São muitos, dezenas deles.

A Su é muito animada, conversadeira e indignada. Então, para se vingar dos mijões eu a convidei a passar uns carões quando víssemos um mijão em ação. Pois não é que ela topou? Num sábado de julho saímos os dois, eu dirigindo e ela ao lado.

No primeiro mijão diminuí a velocidade, ela baixou o vidro e lascou um berro: - vai mijar na tua casa, seu pinto pequeno!

Foi o maior barato a reação do sujeito. Entre assustado, envergonhado e embaraçado o coitado não sabia se escondia o bingulim ou se olhava pra Su, que dava gargalhadas mil. A intenção era essa, constranger o incauto e rirmos da cara dele.

Continuamos nossa divertida perseguição. Poucos quilômetros depois encontramos outro, e a Su: - Ei mijão, vai mijar na tua casa! O sujeito não se fez de rogado, virou-se pra ela e balançou a coisa. A Su, espirituosa como ela só, tascou outro berro: - que mixaria, parece uma verruga! Não deu outra o mijão fez uma cara de decepção, boquiaberto... Amarelou, não sabia o que responder. Fomos embora.

Já ao anoitecer encontramos mais um. A Su mudou de tática. Pediu-me para parar bem perto do sujeito. Ao invés de gritar ela fez pior, falou com toda a calma do mundo:
- Boa noite, amigo!
- Boa noite. O mijão respondeu sem olhar para trás.
- Você tinha que mijar na rua? Por que vocês homens são tão descorteses com as mulheres? Não daria para você esperar até em casa? Quantas mulheres você já viu mijando nos meios-fios? Se a gente segura o xixi por que vocês não seguram? A bexiga do homem é menor que a da mulher?

Tudo se transformou na maior gargalhada quando o moço, de uns 30 anos, acima do peso e barba rala, se virou e num constrangimento visível, mostrando a calça toda molhada disse:
- Moça, não sei responder nada disso. Só sei que você me atrapalhou e molhei todo.

A Su e eu sabemos que não daremos fim a essa pouca vergonha, mas fizemos a nossa parte e demos boas gargalhadas naquela tarde inesquecível de inverno candango, com 15% de umidade relativa do ar. A Su se comprometeu a pelo menos buzinar toda vez que tiver um mijão no seu caminho.

A teoria da Su é que se todas as mulheres seguirem seu exemplo, até por serem em maior número, em breve os mijões serão uma espécie em extinção.
Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 25Exibido 1878 vezesFale com o autor