Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
88 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56823 )
Cartas ( 21161)
Contos (12583)
Cordel (10010)
Crônicas (22151)
Discursos (3132)
Ensaios - (8953)
Erótico (13387)
Frases (43338)
Humor (18382)
Infantil (3751)
Infanto Juvenil (2630)
Letras de Música (5464)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (138023)
Redação (2918)
Roteiro de Filme ou Novela (1053)
Teses / Monologos (2394)
Textos Jurídicos (1923)
Textos Religiosos/Sermões (4764)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->MIRAGENS -- 22/08/2001 - 02:44 (João Ferreira) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos


MIRAGENS







Jan Muá

22 de agosto de 2001





Suspenso

Pensando estou...sozinho..



Perseguindo imagens e sentidos

Para minhas carências

Que me inclinam a buscar renascer

Todas as vezes que meus olhos regressam do mundo

E me excitam por vivas e coloridas imagens que me trazem.



É então que me regozijo e fruo

O movimento que tem música

E as cores que revestem os brilhantes objetos



A cada dia tento viajar certeiro

Criando miragens variadas místicas e metafísicas

Na cauda do mistério

Aprofundando-me em vontade de navegação

Mundo além em todo o universo encoberto



Tenho em mim sonhos abstratos e concretos

E a loucura de armar-me de microscópio nos olhos e no entendimento

E o desejo de navegar pelos muitos buracos negros

E chegar até à divinal galáxia armado de proteção antitérmica

E ver com meus olhos o caldeirão do sol

Essa medonha central atômica de hidrogênio e hélio

Transbordando energia inesgotável



Nas moradas do sol adoraria sentir essa emoção forte

Para ter uma noção simples do calor que aquece

E entender iluminadamente a inadequação de nossos conceitos de realidade



Preso à minha alma ainda insisto em miragear

Fantasias e ilusões

Num mundo de contornos duros

Mergulhado em sensações metálicas de matéria inerte



Meu desejo é o de não perder horizontes certos em meu destino

Navegar mais para aprender a sentir o navegar melhor

Para saber descobrir.



Jan Muá



Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 73Exibido 692 vezesFale com o autor