Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
77 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 54946 )
Cartas ( 21059)
Contos (12121)
Cordel (9544)
Crônicas (21131)
Discursos (3109)
Ensaios - (9910)
Erótico (13133)
Frases (39899)
Humor (17551)
Infantil (3560)
Infanto Juvenil (2308)
Letras de Música (5414)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (135650)
Redação (2874)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2374)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4195)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cartas-->66 -- 21/01/2005 - 03:59 (Poeta Maldito) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
É que de você
Evapora tanta simpatia,
Tanto carisma,
Que é inconcebível
Alguém não se apaixonar por ti.
Mas se teus sonhos são só de um...
Se teus clamores,
Só chamam um nome... !
Deixa que eu lhe dite as sílabas!
Deixa que os teus sonhos eu trame!
É que uma parte foi-me tomada
Da alma, por teus olhos.
E agora eu ando mancando,
Tropeçando sem rumo.

Aquiete minha busca
Pela beleza perfeita.
Deixa que eu desperte seu sangue.
E seu charme que me desfaz,
Entorpece meus olhos,
Hipnotiza-me sua candura.
Macero-te em louca frivolidade,
Em busca de sua essência,
Porque sei que nunca alcançarei.
É que meu trato é poético,
Uma espada sem corte
Desembainhada para a morte.
E meu junco sem norte,
Que de vento tem a esperança,
Neste sonho a que se lança.
Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 0Exibido 227 vezesFale com o autor