Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
36 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56723 )
Cartas ( 21160)
Contos (12583)
Cordel (10005)
Crônicas (22134)
Discursos (3130)
Ensaios - (8936)
Erótico (13378)
Frases (43199)
Humor (18335)
Infantil (3739)
Infanto Juvenil (2597)
Letras de Música (5463)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (137948)
Redação (2915)
Roteiro de Filme ou Novela (1053)
Teses / Monologos (2386)
Textos Jurídicos (1922)
Textos Religiosos/Sermões (4723)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cartas-->Carta de despedida -- 24/10/2005 - 17:18 (Ricardo Barreto Ferreira) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
CARTA DE DESPEDIDA



Fizemos muita coisa juntos, crescemos juntos, um apoiando e incentivando o outro.

Chegamos a um ponto, porém, em que não temos mais como ajudar o outro a continuar crescendo.

Tenho consciência de que, atualmente, não tenho o que lhe oferecer em termos de aventura e emoções fortes.

Se continuarmos juntos, corremos o risco de anularmos nossas personalidades deixando de vivenciar experiências novas e gratificantes.

Nosso senso de ética impede-nos de buscar, fora do nosso relacionamento, a satisfação passageira com outros personagens dessa farsa existencial criada pelos homens para regular a vida em sociedade.

Para mantermos a aparência de um casal unido, feliz e realizado em todos os sentidos, teremos que sufocar nossos impulsos e desejos mais profundos e isto pode nos transformar, com o tempo, em pessoas ressentidas, amargas e infelizes. Ou talvez agradeçamos por ter conseguido levar a vida sem muitos atropelos, protegidos de um futuro incerto que poderia trazer-nos solidão e relacionamentos satisfatórios no início, mas com conseqüências dolorosas no final.

Talvez a luta para manter este relacionamento seja inútil e inglória, levando-nos a perder o respeito e admiração que ainda sentimos um pelo outro.

Não quero tornar-me um empecilho na sua vida. Prefiro dar-lhe a liberdade enquanto temos tempo para reconstruirmos nossas vidas.

Vou partir para não me anular e não ver quem eu amo perder o brilho do olhar por ter se resignado a uma vida sem surpresas.

Vou partir antes que a insatisfação destrua até a lembrança dos bons momentos vividos lado a lado.

Um dia você me agradecerá por esta decisão.

Adeus. Natal, 19/10/05.

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui