Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
90 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 54594 )
Cartas ( 21042)
Contos (12045)
Cordel (9417)
Crônicas (20965)
Discursos (3104)
Ensaios - (9880)
Erótico (13101)
Frases (39628)
Humor (17532)
Infantil (3554)
Infanto Juvenil (2304)
Letras de Música (5408)
Peça de Teatro (1309)
Poesias (135301)
Redação (2862)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2371)
Textos Jurídicos (1912)
Textos Religiosos/Sermões (4137)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->PROUST, NIETZSCHE E MINHAS LEMBRANÇAS -- 20/06/2013 - 22:05 (Edmar Guedes Corrêa****) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
O passado é um punhal que me é enterrado no peito todas as vezes que uma canção, uma imagem, uma fotografia ou até mesmo uma situação me faz lembrar dos anos da juventude. Sou tomado pela sensação de que aqueles anos foram os anos mais felizes da minha vida e pelo desejo de voltar ao passado para tornar a vivenciá-los uma outra vez e quiça infintas vezes como no eterno retorno do mesmo nietzschiano. Eu sei que o passado não volta mais (e mesmo que voltasse não voltaria da mesma forma, pois nossas experiências só podem ser vividas uma única vez) e nem mesmo pode ser resgatado como Proust tentou fazer em Em busca do tempo perdido ao procurar o resgate duma época. Os anos avançam, novas experiências e momentos inesquecíveis vão se acumulando, fazendo com que a experiência de viver seja inigualável. Todavia, o passado é uma coisa assombrosa, que muitas vezes, nos impede de viver plenamente o presente. É inegável que as lembranças do passado tendem a se apagar com o tempo. E quanto mais distante esse passado, menos nítidas se tornam essas lembranças. Embora os anos corroem os traços mais sutis de nossas mais ternas lembranças, ainda sim elas permanecem vivas com os seus fragmentos. É óbvio que esquecemos muita coisa e fatos significativos acabam se perdendo com o tempo. Isso faz parte do esquecimento. O esquecer é saudável. E aquele que consegue esquecer mais facilmente, é um ser mais feliz. Não que aquele que não consegue esquecer não o seja, mas o passado pode muitas vezes se tornar um empecilho ou até mesmo um fardo. Apesar de não crer que o passado me seja prejudicial; na verdade, preferia não tê-lo tão presente. Talvez o meu problema seja exatamente a justificativa de Nietzsche para explicar o eterno retorno do mesmo: devemos viver de forma a desejar essa vida e cada centelha dela mais uma vez e uma nova infinidade de vezes. Será que eu vivi minha juventude de forma a querê-la outra vez, depois outra, e outra e assim infinitas vezes num eterno retorno do mesmo? Quiça!



LEIA TAMBÉM:
A ESPERTEZA E O NHOQUE
O CIUMENTO E A SEDUTORA
CRÔNICAS ERÓTICAS: O TÍMIDO (2)
CRÔNICAS ERÓTICAS: O TÍMIDO (1)
POR VOCÊ EXISTIR
O TEMPO A SEU TEMPO
O CARTÃO DE CRÉDITO
CRÔNICAS ERÓTICAS: UM MULHERÃO
NO LUGAR DO POLÍTICOS
HORA MARCADA
FOI INESQUECÍVEL
MUDANDO DE NEGÓCIO
ANTES DO CAFEZINHO
GAROTINHO ESPERTO
ATRAVÉS DO ESPELHO
O POETA ESTÉRIL
SEI FALAR DE AMOR
DEFINIÇÃO DE MULHER

NÃO DEIXE DE LER: 30 TEXTOS MAIS LIDOS DA USINA NOS ÚLTIMOS 6 MESES

Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui