Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
69 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56831 )
Cartas ( 21161)
Contos (12584)
Cordel (10014)
Crônicas (22151)
Discursos (3133)
Ensaios - (8956)
Erótico (13388)
Frases (43355)
Humor (18383)
Infantil (3751)
Infanto Juvenil (2630)
Letras de Música (5464)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (138029)
Redação (2918)
Roteiro de Filme ou Novela (1053)
Teses / Monologos (2394)
Textos Jurídicos (1923)
Textos Religiosos/Sermões (4770)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->CONFISSÃO -- 07/11/2001 - 06:47 (wladimir olivier) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
WLADIMIR OLIVIER


A pátria,

o lar,

a família

a sociedade,

o homem ainda dando valor a tudo,

valor humano.

O transcendente está preso à matéria,

figura imprecisa,

tinta borrada,

mancha comovida,

falsa modéstia.

O crime de ser honesto diante do mal:

a vida um grande pecado.

O pobre e o rico confraternizam-se no caixão, na terra.

O verme de casaca prefere comer o corpo são do jovem.

E quem come o verme?

E o verme que o verme?!

Tudo fica.

Nada se perde.

A energia concentra-se no movimento,

que produz o homem

e o pensamento do homem

e a poesia do homem.



Pobre de mim,

pobre do mundo,

pobre existência.

Tudo vibra num só compulsar

e eu tenho sono:

quereria dormir para não mais acordar.

Por que dormir?

Para escapar ao sofrimento,

à vida,

à existência.

Como gostaria de não sofrer,

de ter a felicidade

desencaixotada de dentro de mim,

inerente ao meu ser

e ao ser que faz vibrar o mundo.

O intelecto repugna o pessimismo.

O homem precisa de Deus.

Ou ainda precisa?

Talvez logo venha a prescindir.

O ser jamais será igual a si mesmo dentro da eternidade material.

O nada talvez solucione tudo.

Não o meu problema,

que é exclusivo meu,

não da natureza.



Haverá alma que pulse comigo?

Como sou criança!

Como tenho necessidades!

Como preciso de alguma coisa!



06.12.57.





Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui