Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
95 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 54601 )
Cartas ( 21043)
Contos (12053)
Cordel (9422)
Crônicas (20970)
Discursos (3102)
Ensaios - (9880)
Erótico (13102)
Frases (39648)
Humor (17532)
Infantil (3554)
Infanto Juvenil (2304)
Letras de Música (5408)
Peça de Teatro (1309)
Poesias (135308)
Redação (2862)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2371)
Textos Jurídicos (1912)
Textos Religiosos/Sermões (4143)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Erótico-->AH! O AMOR! -- 12/04/2010 - 08:59 (Ana Zélia da Silva) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Número do Registro de Direito Autoral:131420485395849100
Ah! O Amor!
Ana Zélia

Meu corpo sedento de amor implora o seu:

Vem querido! Tenha-me em seus braços, me polarize com a uma flor.

Sinta o perfume erótico do desejo, da libido, do orgasmo...

Cansei de fazer do “DEDO”, o “macho”...
Machuca demais, ser-se Mulher e não se possuir companhia, companheiro que me cubra, encubra.

Meu corpo sedento de amor teme a terra, os micróbios a quem servirá de pasto, tudo por falta de um “macho”.

Seja seu todo meu ser, jorre em mim o esperma retido em ti.

Sou faminta como as lagartas.
Quero você para romper meu útero, dentro em mim, sentir você.

Tenha meu corpo como uma fruta, “puta”.

A você quero ser tudo, porque neste tudo está a mulher que te ama.

Se abra a mim, quero saber tudo de você, não se feche querido.

Eu estarei ao seu lado, como as mariposas rondando ou como as lagartas cortando.
=========================================


Nota da autora-

ETA mulherzinha! Procura os homens mais difíceis de serem amados, mas ao Escorpião este é seu maior pecado, gozar depois de tê0lo conquistado é sua glória, mesmo que só um instante. São troféus guardados, posso dizer de peito aberto, foi meu, fui dele, o amei me enganou. Quem dera as mulheres fossem como as “mariposas” que não podem se apaixonar nunca. São empregadas do sexo, pagou, gozou e ela segue. Assim quem sabe os homens nos amassem mais, nos desejassem mais e não nos matasse por nada. Manaus, 12.04.2010. Ana Zélia


Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 25Exibido 823 vezesFale com o autor