Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
145 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56951 )
Cartas ( 21165)
Contos (12585)
Cordel (10048)
Crônicas (22174)
Discursos (3133)
Ensaios - (8976)
Erótico (13389)
Frases (43473)
Humor (18423)
Infantil (3758)
Infanto Juvenil (2650)
Letras de Música (5465)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (138131)
Redação (2919)
Roteiro de Filme ou Novela (1053)
Teses / Monologos (2400)
Textos Jurídicos (1924)
Textos Religiosos/Sermões (4819)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cartas-->Vou contar nossa História. (A ele) -- 03/02/2007 - 15:23 (MARIA CRISTINA DOBAL CAMPIGLIA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

Vou contar nossa história.
Você começou cativando; eu respondendo que “sim”.
Você me incendiou por completo. E eu esquecendo de mim.
Esqueci que não poderia : você ? Jamais ficaria.
Jamais : como nunca ficou.
Mas eu, que nunca fiquei
amarrada por aí, desta vez fiquei sim.
A história não tem um final. Você tem um medo feroz.
Mistura o que quer e não quer. Não quer se prender nem sofrer.
E sofre por não se entregar.
Não sei do que tenho a te dar. Não sei se você quer de mim.
Somente uma coisa aprendi: eu tenho o sinal de fugir. Pareço um pouquinho a você.
Amamos viver e querer. Rotinas não são para nós.

Mas temos o amor.
O amor é raríssimo e cruel.
Se vem : não se vai sem doer.
(Se veio, por que não deixar? Se vai, por que não chorar?)

Vou começar outra vez : a história não pode acabar.
Igual a um mendigo eu te espero, assim , pelo Tempo que for.
Mas nunca darei meu amor sem vida, mistério e calor. Assim como nunca você.
Também nunca vou devolver,
aquilo que destes a mim.
Jamais te darei a ninguém.

Na história que temos- (ou nunca tivemos?)- agora eu irei convidar.
(Pessoas,amigos, prazer : a vida que segue e que vem.
Passamos por ela e brincamos,
E nunca parece o que é...)
No peito meu sangue pergunta:
Cadê?

E tu, distraído e absorto,
não vês que te espero no frio. Não vês que contando as estrelas, fazendo de conta que amo,
brincando de ter o prazer : espero no fundo que voltes,
que tragas o brilho a meus olhos, e jures com rios e luas
que a história jamais vai ter fim...



Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 1445 vezesFale com o autor