Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
43 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56388 )
Cartas ( 21117)
Contos (12482)
Cordel (9833)
Crônicas (21786)
Discursos (3122)
Ensaios - (9975)
Erótico (13197)
Frases (41434)
Humor (17685)
Infantil (3603)
Infanto Juvenil (2328)
Letras de Música (5445)
Peça de Teatro (1312)
Poesias (136898)
Redação (2885)
Roteiro de Filme ou Novela (1048)
Teses / Monologos (2381)
Textos Jurídicos (1917)
Textos Religiosos/Sermões (4473)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->Deus dá o frio... -- 07/11/2013 - 13:24 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Deus dá o frio conforme o cobertor. No nosso caso, e na nossa casa, ele foi pra lá

de generoso: deu-nos cobertores de lã, as cobertas de tear de pau, as colchas de

retalhos e aquele aconchego materno-paternal sem o qual, até dormir faz mal.

Rajadas de vento seco e frio, a úmida procela, nem ela, a gente temia, ainda que

tiritasse quando a cama ainda achasse fria.

Nas noites mais amenas, havia sempre uma certa preferência por determinadas

peças - e dessas - destaque sem igual cabia a uma coberta de tear de pau,

de fundo azul, com umas listrinhas verdes, que proporcionava o sono ideal. A

primazia, a cada dia, cabia a quem primeiro que a escolhia na quase gritaria.

Depois da reza, pois antes ou durante, quem ousaria?

Mas ao largo do povoado do Brumado, pelo jeito, o bom Deus, digo aos botões

meus, era mais acionado. Era frequente ver gente acorrendo à conferência de

São Vicente de Paula pra pedir os cobertores "de São Vicente". Esses eram

padronizados, na cor cinza, uma faixinha marrom, e embora fininhos, requéns,

parecia que tava bom, malgrado os poréns.

Já os cobertores Parahyba, esse pareciam estar ainda muito arriba. Quiçá cobrindo

os pés de Deus, pois o Chico Piaba, que morava só, em algum cafundó, quando

passava por nossa casa, batia à janela lembrando que era candidato às meias

furadas, que remendava, e o sono então o acalentava, em meio à noite brava, sob

o céu varrido a piaçava.
Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui