Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
50 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56399 )
Cartas ( 21119)
Contos (12482)
Cordel (9833)
Crônicas (21793)
Discursos (3122)
Ensaios - (9978)
Erótico (13197)
Frases (41437)
Humor (17685)
Infantil (3603)
Infanto Juvenil (2328)
Letras de Música (5445)
Peça de Teatro (1312)
Poesias (136907)
Redação (2885)
Roteiro de Filme ou Novela (1048)
Teses / Monologos (2381)
Textos Jurídicos (1917)
Textos Religiosos/Sermões (4473)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->Forjada fundição -- 10/11/2013 - 11:19 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Contrasta com as casinhas apinhadas que o rodeiam aquele espaçoso galpão vazio,

fundição que foi, sem nunca ter fundido.

Era o sonho de gente empreendedora da pacata Velha Serrana embarcar no `boom`

siderúrgico que tomou conta das Gerais nos anos cinquenta. Toda cidade vizinha

que se prezasse ia criando seu parque, com a ajuda de políticos, a abundância

do minério - e o rôr de carvoarias que se iam espalhando pelo Estado. Itaúna já

ganhara certa reputação no fabrico de apetrechos de ferro gusa, como caixas de

descarga, tampas de bueiros; Divinópolis, então, já andava rodeada de usinas

fumacentas e até entrara no mundo mais especializado da aciaria; o Pará, cidade

bem mais nova e mais rival, cada chaminé que levantava era mais um quinau que

nos passava...

Era hora da reação. Colocávamo-nos afinal entre os primeiros municípios mineiros

por ordem de fundação - e nada de fundição?

O parque industrial da cidade era pífio, tirante a fábrica de tecidos e uma meia

dúzia de fabriquetas que ia dos estanhados aos calçados, com o desdouro então de

passar pela das vassouras, e de sabão!

Esforços, ao que consta e se conta, foram envidados - e malogrados. Razão?

Deve haver delas um caminhão, que iria, e ria, da falta de força política, passando

pelo passar da hora, à má localização do burgo, espremido entre montanhas e as

imorredouras rivalidades municipais, ainda mais íngremes. E de fundição, sobrou,

vistoso, ocioso, o galpão.

Mas quem muito se riu e se livrou das inconveniências poluidoras da fundição, foi

uma senhora, já velhinha, de lá vizinha, que achava tudo uma lorota: Dona Xoxota.
Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui