Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
129 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56625 )
Cartas ( 21128)
Contos (12502)
Cordel (9854)
Crônicas (21854)
Discursos (3121)
Ensaios - (9995)
Erótico (13199)
Frases (41612)
Humor (17733)
Infantil (3604)
Infanto Juvenil (2332)
Letras de Música (5448)
Peça de Teatro (1312)
Poesias (137016)
Redação (2886)
Roteiro de Filme ou Novela (1049)
Teses / Monologos (2381)
Textos Jurídicos (1917)
Textos Religiosos/Sermões (4500)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Erótico-->Rapidinha -- 05/10/2010 - 20:58 ( Andre Luis Aquino) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
O desejo simplesmente não nos deixou esperar, impetuoso em mim e ardente nela, a ousadia superou o medo. No ambiente em que estávamos onde tudo é padronizado e o trabalho sempre urge, não havia espaços e nem brechas. Mas a nossa curiosidade era bem maior do que qualquer risco. Bastou só uma chance pra que a gente conseguisse.
Nós tínhamos uma atração pelo outro de longa data, mas não passava disso, de olhares e de algumas brincadeiras, nunca nem tínhamos tocado no assunto. Mas naquela tarde ela olhou de um jeito intenso demais pra mim e eu devolvi na mesma moeda. Sorrindo e sem dizer nada, levantou da mesa se equilibrou nos saltos altos e não tirando os olhos de mim saiu da sala e foi pelo corredor. Mal tinha saído pela porta e eu já estava de pé quase atrás dela. Ninguém no escritório parece que tinha notado.
Sem olhar para trás ela abriu uma porta. O lugar secreto era o arquivo morto aonde pouca gente vai e a porta tem tranca. O friozinho na barriga com medo de sermos encontrados era um poderoso afrodisíaco. Ela não poderia estar usando roupa melhor do que aquela saia , atrevida que só , naquela hora nem estava usando roupa íntima por baixo. Tinha planejado tudo.
Não foi preciso dizer uma única palavra, assim que ela entrou e eu entrei em seguida, o beijo molhado e de língua disse tudo por nós. Agarramos-nos como se quisemos entrar um dentro do corpo do outro. As bocas agora já não se beijavam mais porque estavam ocupadas com as orelhas e depois com o pescoço. Ela me puxou pra cima dela com vontade, eu retribuí arrancando sua blusa. Após saltarem para fora bem diante de meus olhos, imediatamente comecei a tocar seus seios com minha língua. Ela enterrou seus dedos no meu cabelo e começou a puxá-los com muita força.
Ofegantes e loucos de desejo, olhando nos meus olhos num rápido movimento ela abriu o botão da minha calça e abaixou o zíper. Em outro movimento, só que dessa vez mais lento, ficou de costas pra mim levantando a saia bem devagarzinho para que eu me excitasse o máximo com aquela cena.
Puxei-a pelos cabelos e grudei meu corpo no dela, aquele foi o encaixe perfeito, mordendo sua nunca e ouvindo seus gemidos baixinhos , nós dois de pé não demoramos muito para atingir o clímax.
E tudo isso durou só uns 7 minutos.
http://queninguemdurma.blogspot.com/
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui