Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
114 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 55051 )
Cartas ( 21061)
Contos (12130)
Cordel (9564)
Crônicas (21226)
Discursos (3108)
Ensaios - (9913)
Erótico (13135)
Frases (39979)
Humor (17551)
Infantil (3562)
Infanto Juvenil (2309)
Letras de Música (5414)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (135726)
Redação (2875)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2374)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4205)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cartas-->Violência -- 28/02/2007 - 20:43 (Henrique César Pinheiro) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

Ás
"Altoridades" Brasileiras
do presidente da República
ao vereador.

Senhoras "altoridades", a violência que campeia no país não é de hoje, mas vem se alastrando ano-a-ano como fogo em palheiro. E as "altoridades" vivem a discutir o sexo do anjos. Entra ano, sai ano e nada de concreto se faz para combater esta guerra civil.

Também, nunca se ouviu falar que tenha sido assassinada com ou sem atrocidade qualquer "altoridade" brasileira, exceto o João Daniel, mas aí é outra história. Então porque se preocupar com um reles índio Pataxo de nome Galdino? Galdino? Até o nome é pobre. Prender os filhos de papais, que tocaram fogo naquele ser abjeto?  Prejudicar o futuro dos meninos? Nunca.

Ora, um índio não vale nada. Melhor um índio morto do que um rico enjaulado. Depois, temos mais que nos preocupar com nossas mordomias do que com a morte de um menino do subúrbio do Rio. Ou até mesmo de um menino, que depois de violentado sexualmente, foi morto de forma cruel em Salvador, quando um pastor ateou fogo nele (menino) ainda vivo.

Ora, eles depois esquecem e fica por isso mesmo; deixa pra lá. A imprensa faz o papel dela: denuncia e esquece. Daqui há alguns anos faz outro alarde, mas tudo bem. Não há o que se preocupar. Vamos em frente que temos que aproveitar nosso tempo no governo e nos arrumar. Este é o pensamento.

Discutir aumento de pena. Pena de morte. Maioridade. Não. Isso não vai resolver, dizem logo de cara.O único aumento que temos que discutir é dos nossos salários. O resto não importa. E se põem em discussões intermináveis que não levam a nada.

Mas, eu aqui com meus botões fico pensando, não resolve, certo. Entretanto, é fácil se demonstrar que bandido também tem medo de morrer e não ataca qualquer um. Só ataca quando tem certeza da impunidade.

Quem neste país já ouviu dizer que tenha havido um só assalto a qualquer empregado do jogo do bicho e o dinheiro das apostas tenha sido roubado? Eu, particularmente, nunca, durante toda minha vida, ouvi falar em tal coisa. Em tal sandice.

Logo, é fácil se concluir. Não há o menor interesse dos políticos - aqui incluo todas "altoridades" que exercem cargo de confiança ou galgaram altos postos às custas do sistema. Excluo apenas aquele que fizeram carreira após passarem em concurso público e não devem nada a seu ninguém - protegerem a sociedade.

Eles querem somente cargos, poder e mordomia. Vida boa, às custas do povo brasileiro que os sustenta. E nesse teatro de faz de conta, fingem que estão preocupados com o assunto, que levam no papo com discussões, e mais discussões, vetos e outros instrumentos, prendem meia dúzia de pobre-coitados: Fernandinho Beira-Mar.; Elias Maluco.; Marcola e outros menos cotados, mas nunca um peixe graúdo. Será que os traficantes poderosos são estes? Não acredito.

E assim caminha o Brasil. Passada esta onda de indignação tudo volta a ser como antes na casa de Abranges.

E até a próxima eleição.
 

Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 36Exibido 1364 vezesFale com o autor