Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
94 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 54945 )
Cartas ( 21059)
Contos (12121)
Cordel (9543)
Crônicas (21131)
Discursos (3109)
Ensaios - (9910)
Erótico (13133)
Frases (39899)
Humor (17551)
Infantil (3560)
Infanto Juvenil (2308)
Letras de Música (5414)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (135650)
Redação (2874)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2374)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4195)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->APRESENTAÇÃO DO JORNALISTA -- 27/07/2016 - 17:08 (PAULO HENRIQUE COELHO FONTENELLE DE ARAUJO) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos



Trabalho no “Jornal da Cidade” e organizo as notas de falecimento. Mas hoje, talvez por relação até com esses óbitos que atravessam a minha mesa, meditei sobre as vítimas da primeira página do jornal: “Dez pessoas morrem em razão de bomba no Iraque”. Li a notícia e pensei na vida destas dez criaturas ontem, quando não eram as dez noticiadas, quando simplesmente escovavam os dentes... Depois conclui: ser um padecente de uma tragédia jornalística definido por um número é como a lousa em um cálculo matemático, ou melhor, qual a utilidade do negro do quadro, mesmo que haja a solução do problema?

Notas de falecimento, ao contrário, são sólidas como um mausoléu. A família repara e o morto parece cumprir sua obrigação de um jeito intacto... Vítimas da primeira página dos jornais não... são muriçocas, voltam iguais a muriçocas, principalmente em noticiários da tevê.

Fui para o almoço e imaginei que dois dos dez mortos da manchete de hoje queriam estar entre os quinze mortos da tragédia de amanhã. Mas o dezessete de amanhã não combinariam com os índices de programação da tevê sempre repassados em números redondos.

Tal cálculo me deixou sintonizado e pensei diferente: notas de falecimento são até mais do que um mausoléu, porque jamais podem ser ambíguas. Eu não quero mais complicações iguais aquela, quando quase fui demitido porque confundi o sobrenome de um finado: se escrevia GOMEZ com “z” com GOMES com “s”. A família do morto não gostou.

Um dia morrerão dez ponto três pessoas em um acidente de ônibus na rodovia Dutra e assim será noticiado porque três das vítimas serão crianças e o mundo digitalizado não validará mais o informe de vítimas que não sejam apresentadas de um modo fracionado.



INÍCIO DO LIVRO: "TOUROS EM COPACABANA"


 


Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 17Exibido 97 vezesFale com o autor