Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
79 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 54945 )
Cartas ( 21059)
Contos (12121)
Cordel (9543)
Crônicas (21131)
Discursos (3109)
Ensaios - (9910)
Erótico (13133)
Frases (39899)
Humor (17551)
Infantil (3560)
Infanto Juvenil (2308)
Letras de Música (5414)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (135650)
Redação (2874)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2374)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4195)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->ANDANDO PELO CALÇADÃO -- 01/10/2016 - 02:04 (PAULO HENRIQUE COELHO FONTENELLE DE ARAUJO) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos




    Hoje, andando pelo calçadão da praia de Copacabana, lembrei-me que não conheci o meu avô paterno e somente vi minha avó quando eu era criança. Ela deitada na cama por causa de uma doença degenerativa; eu chegava perto, pedia benção e ela, toda paralisada, ainda apertava a mão direita... Nem estes contatos duraram muito e logo ela morreu.
     Eu pensei que ambos avós, quando vivos e casados, também saíram para comprar pão e leite na padaria; ambos cercados de filhos tomaram café de manhã discutindo a situação escolar de um ou outro menino; comentaram sobre o frio de outono e questionaram o comportamento inconstante um do outro apesar das juras de amor.  Ambos avós tiveram dúvidas ou medos e acreditaram em Deus de uma forma intensa; tão intensa a ponto de não perceberem o súbito arremate de tudo, da vida por eles tão acostumada a ser vivida, e que o Deus adorado não era uma matéria comovente, mas uma questão.
     Meus avós não perceberam principalmente que o tempo passaria.
     Meus dois avós revelaram entre si mesmos, o futuro político do país. Quem sabe reclamaram de vizinhos barulhentos ou arrogantes. Os vizinhos que, para seus filhos pequenos, um dia valeram o mundo inteiro.
     Estes meus avós estão mortos, enterrados (há uma placa no túmulo). Cada um deles viveu mais de setenta anos e todos os dias destes anos vividos significaram o "tempo presente". O tempo presente tocava nas rádios através das canções de amor perdido... as inúmeras canções de amor perdido, que se perdem continuamente, porque se o amor não for assim, evanescido, qual a poesia?
     O “tempo presente” soberano, o dominador hipnótico - mantém tantos casais unidos, que eles chegam a pensar em alguma permanência. Nada é permanente...
     Passei por um casal que caminhava entre sorrisos. O casal representou para mim, naquele momento, todos os casais do mundo e isso simplesmente porque estavam felizes. A mulher que ria intensamente, encostou  a cabeça no braço esquerdo do rapaz. Sentindo a cena, imaginei alguma coisa imutável...  e as possibilidades surgiram.
     As incríveis possibilidades são as únicas autoridades contra o tempo presente.
    Quem sabe os meus avós não estivessem novamente, naquela minha lembrança, vivendo as suas felicidades e angústias: a angústia da doença do meu tio mais velho - morreu tuberculoso em 1936 - e este tio não estivesse revivendo o momento de sua morte, achando graça de tudo; porque no final vida e morte passaram a ser hilariantes e ele diz:

    - Mamãe, minha vida cruza o espaço azul... eu quase me sinto uma das cantoras do rádio! Uma Aurora Miranda...

    Decidi entrar em um açougue e pedir meio-quilo de músculo moído e meio-quilo de colchão mole cortado para bife. Não costumo comer carne. Fiz isto porque o ato parecia ser o de maior potencial corriqueiro  para eu levar o resto do dia.    

DO  LIVRO: "TOUROS EM COPACABANA"


   



  


Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 17Exibido 148 vezesFale com o autor