Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
45 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56739 )
Cartas ( 21160)
Contos (12583)
Cordel (10006)
Crônicas (22136)
Discursos (3131)
Ensaios - (8937)
Erótico (13379)
Frases (43217)
Humor (18340)
Infantil (3739)
Infanto Juvenil (2601)
Letras de Música (5463)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (137961)
Redação (2915)
Roteiro de Filme ou Novela (1053)
Teses / Monologos (2388)
Textos Jurídicos (1922)
Textos Religiosos/Sermões (4729)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cartas-->CARTA DE APRESENTAÇÃO -- 25/01/2009 - 15:12 (Adalberto Antonio de Lima) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Prezado Editor:

Aproveito seu contato via email para indicar-lhe o escritor Gilson Chagas, autor do romance “MÚSICA PARA PENSAR” que tive a honra de examinar ainda em seu original. Gilson é o grande maestro que faz bailar as letras com um simples gesto de sua batuta – a técnica literária.

Como disse o crítico Francisco Miguel de Moura, em determinando momento, quando falava de (... Flores e Espinhos): “ SENDA DE FLORES E ESPINHOS foi prefaciado por Gilson Chagas, escritor também de Santo Antônio de Lisboa, uma grande inteligência que seria muito bem empregada na literatura”.
Saudações,
Adalberto Lima


COMENTÁRIOS SOBRE CARTAS:

A tecnologia imprimiu maior velocidade à comunicação, de modo que a correspondência comercial e familiar, praticamente “caducaram”. Hoje, passe-se email, torpedos ou comunica-se instantaneamente pelo MSN. Até o telefone, em breve, será peça de museu.

A linguagem cria seu próprio jeito de adequar-se à tecnologia: já não se pode mais ser tão prolixo como outrora, mesmo porque, o tempo não para e parece andar à velocidade da luz. Por seu turno, o leitor virtual não aceita ou não se debruça para ler longos textos; prefere a concisão.

Ora, por que dizer tão pouco com tantas palavras, se pode-se dizer muito, com poucas letras? E aí, a memória nos remete ao tempo em que se pagava por um telegrama conforme o número de plavaras nele contidas.

Será também assim, num futuro bem próximo, quando, provedores passarão a cobrar por palavras lançadas nos emails. Portanto, convém praticar a forma concisa de comunicar-se, até mesmo por uma questão de economia de tempo e dinheiro.

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 887 vezesFale com o autor