Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
63 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 54746 )
Cartas ( 21052)
Contos (12072)
Cordel (9445)
Crônicas (21020)
Discursos (3104)
Ensaios - (9890)
Erótico (13109)
Frases (39743)
Humor (17539)
Infantil (3557)
Infanto Juvenil (2306)
Letras de Música (5410)
Peça de Teatro (1309)
Poesias (135412)
Redação (2863)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2371)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4160)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->3016 - Assim! -- 09/12/2016 - 16:54 (Jairo de A. Costa Jr.) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
3.016 – Assim!
“Escrever sobre ela é fácil, difícil é viver sem ela.”. Início da minha penúltima crônica e confissão de que quem manda, rs, é a dona da pensão Dona Edna. Fácil esta confissão, também já se vão mais de quarenta anos daquele risque-rabisque rabiscado; lembram-se, está lá na minha penúltima crônica, só acessar usinadeletras.com.br.
Isto posto, adelante até a minha última crônica, onde pergunto Como pode? sobre o acontecido com o time da Chapecoense, a Chape dos corações dos torcedores e, agora, de todos nós, não é. O “Como pode?” está sendo buscado pelas equipes colombianas, bolivianas e brasileiras, que estão se debruçando no que aconteceu, como aconteceu e porque aconteceu e só Deus sabe o que se passou na cabeça daquele piloto, trágico piloto.
Bom, estou às voltas com o meu caixa aqui da empresa, num regime de mutirão tentando chegar até janeiro do ano que vem, ô ano que não chega, visto que este dezesseis não quer nos largar e quando penso que vai, ele não vai. Também essa nossa política, diria meu pai: “Ô bando de arcaide, vou te contar, nunca vi iguar!”. Nem eu, parece feito de encomenda para incomodar bastante e não deixar as coisas fluírem. Saímos de um bando e pegamos outro pior... Credo!
E não adianta chorar, é assim, assim será, até mudarmos nós, para mudarmos eles e dezoito vem aí, Deus nos ajude! Com relação ao meu caixa, peço ajuda a Ele e muita, muita mesmo, para receber mais do que tenho para pagar. Ontem foi feriado aqui em Piracicaba e hoje tenho que trabalhar em dobro para atualizar os trabalhos, escritório e fábrica.
Não se esqueçam de que dezoito vem aí e mais que Deus nos ajude, nós é que temos que fazer a nossa parte, na escolha certa dos caras certos; chega de barbudinhos e não barbudinhos querendo levar vida fácil em cima da nossa vida difícil. Parece que não temos saída, mas temos sim, tem que ter, tem que ter gente boa, bem intencionada. Tem que ter saída, não é possível que esses enfistulados não coloquem suas violas no saco e nos deixem em paz.
Às vezes fico com vontade de jogar muita praga ruim nesse pessoal todo, torcendo no mínimo para uma caganeira de resto de suas vidas, que tropa viu de coisa ruim. Óbvio que estou falando desse desgoverno todo. No entanto, no entanto, eu torço também por eles, para que acertem e acertem muito, chego a rezar. Como rezo para que a minha empresa ganhe os pedidos necessários para a sua sobrevivência, para que eu possa pagar todo mundo, para que eu possa chegar ao futuro amanhã, a semana que vem, o mês que vem, o ano que vem e assim... Assim!
Mil anos mais, ou muito mais, para todos nós, na paz e na felicidade de mais um Natal e de um Réveillon prometedor de um novo ano mais feliz. Nesta sexta, nove de doze de dezesseis, desejo um Feliz Natal e Excelente Ano Novo, prometendo voltar depois de umas férias lá pelos meados de janeiro de dezessete. Inté!
Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 13Exibido 70 vezesFale com o autor