Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
51 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56594 )
Cartas ( 21157)
Contos (12595)
Cordel (9988)
Crônicas (22114)
Discursos (3130)
Ensaios - (8904)
Erótico (13337)
Frases (43011)
Humor (18284)
Infantil (3717)
Infanto Juvenil (2551)
Letras de Música (5461)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (137837)
Redação (2909)
Roteiro de Filme ou Novela (1054)
Teses / Monologos (2386)
Textos Jurídicos (1921)
Textos Religiosos/Sermões (4641)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->Lápis de Carvão -- 12/12/2016 - 18:30 (Lita Moniz) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

LÁPIS DE CARVÃO
.
Na ponta do lápis, o carvão marca a folha amarelecida pelo tempo. Ainda somos crianças, a brincar junto da oliveira onde a videira se abrigou na vinha dos teus avós. O lápis não para e traça os números dos dias que vivemos juntos: almas juntas. Desenho-te o sorriso discreto e o dedo da tua mão no meu nariz. Oiço as gargalhadas puras, enquanto montávamos os póneis-cadeira à volta da mesa da sala da tua mãe.

Rabisco os dias da tua ausência na cidade grande, e eu perdido debaixo das azinheiras, com medo de te perder para sempre. A ponta do lápis partiu-se, nesses anos, antes de te encontrar adolescente, lá longe, na cidade grande, além do Tejo.

A navalha afiada das intempéries, serve para afiar o lápis; volto a desenhar sobre a folha do tempo. Esfuminho memórias, os desencontros, os reencontros e o amor. Na ponta do lápis, desenho-te novamente.

Nem sempre desenhei a vida com perfeição. A borracha plastificada dos anos, amorteceu as marcas e os vincos desnecessários. Mas em ti, encontrei a vida e esta vontade para desenhar, todos os dias, o sentimento que nos une: no ventre de menina: o retrato de mulher: desde o nascer até ao pôr-do-sol do amor eternamente enternecedor, sobre o papel madrugador dos anos vindouros - onde a vida nos pinta -, através da vontade comum do verdadeiro Pintor. 

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 6Exibido 209 vezesFale com o autor