Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
105 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56828 )
Cartas ( 21161)
Contos (12584)
Cordel (10014)
Crônicas (22151)
Discursos (3133)
Ensaios - (8956)
Erótico (13388)
Frases (43353)
Humor (18383)
Infantil (3751)
Infanto Juvenil (2630)
Letras de Música (5464)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (138027)
Redação (2918)
Roteiro de Filme ou Novela (1053)
Teses / Monologos (2394)
Textos Jurídicos (1923)
Textos Religiosos/Sermões (4770)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->ESPAÇOS SEM FLORES -- 13/12/2001 - 22:03 (João Ferreira) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos




ESPAÇOS SEM FLORES



Jan Muá

13 de dezembro de 2001





Aqui não há céu

Não há flores

Mas há vozes

Falas de gente

Há janelas abertas

E podemos respirar

Podemos descobrir outras vozes

Outras janelas

E das janelas podemos escutar

Trinados de passarinhos que não há

Há luz

E podemos ver rostos quando nascerem

Ou sorrisos escondidos se aparecerem

Há corredores

E podemos mover-nos

Há tetos

E podemos nos proteger

Há esperas de pessoas

Que não vêm

Há lembranças de promessas

Não cumpridas

Há o relógio-mestre

E seu regular marcador

O relógio que é sempre fiel em seu caminho

O que cumpre prazos

E é rei

Há espaços pequenos

Metrificados

Mas há o ar

Herói-condensador do som

De nossa comunicação!





Jan Muá

13 de dezembro de 2001
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 73Exibido 817 vezesFale com o autor