Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
88 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 54939 )
Cartas ( 21059)
Contos (12120)
Cordel (9541)
Crônicas (21128)
Discursos (3109)
Ensaios - (9910)
Erótico (13133)
Frases (39893)
Humor (17551)
Infantil (3560)
Infanto Juvenil (2308)
Letras de Música (5413)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (135641)
Redação (2874)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2374)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4195)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->FILHOS MAIS VELHOS -- 15/01/2017 - 14:36 (Dalva da Trindade S. Oliveira (Dalva Trindade)) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Número do Registro de Direito Autoral:150299123209892700

FILHOS MAIS VELHOS Creio que para entender o filho mais velho, só sendo um deles também. Ele é criado e educado para proteger, ajudar, ser forte, socorrer, aprender a se virar na vida e, quando tem uma atitude de sensibilidade, ou necessita de carinho é desacreditado, porque "os fortes não precisam disso." O resultado é um filho carente de colo que nenhuma guloseima ou presente preenchem o vazio de um abraço, de um beijo, por maior cumplicidade que haja. Cria-se, sem perceber, um filho com muitas mágoas, carências, lampejos de agressividade; um ser que só quer amar e ser amado e, facilmente, revida qualquer suposto ataque como um felino preparado para lançar- se à caça e que se defende com unhas e dentes. Sozinho, sua dor aparece, as lágrimas rolam escondidas, até vir o sono reparador. Passa a vida tentando preencher esta carência, culpando- se das reações de defesa exarcebadas, porque desaprendeu a viver na companhia constante e receber o calor da família, muito incentivo e menos palavras carinhosas... Não é facilmente percebida essa felicidade serena dele querer estar mais vezes com quem ama. Torna-se vítima, muitas vezes, dos mesmos sentimentos, acreditando em amores que não são verdadeiros, e isto só aumenta o fosso aberto na alma. Amar- se muito, valorizar- se e cativar-se carinhosamente melhora a autoestima destes filhos. Conseguem ser felizes, sim, e muitos estranham sua alegria escancarada de viver. Deus e a vida são suas grandes fontes de amor e carinho. Compreendidos ou não, vivem cada momento, não aceitam a palavra "sobrevivência"; parece resto, mendicância. A liberdade das suas atitudes e decisões agora incomodam os que nunca perceberam o carinho como o tesouro mais buscado pelos filhos mais velhos. Havia o amor na família... Ele nunca faltou, mas os menores eram mais protegidos e nem se davam conta disso. Mimos materiais não substituíam a vontade de receber um cafuné ou de ter vez de deitar no colo para onde acorriam os irmãos mais jovens. Dalva da Trindade S. Oliveira (Dalva Trindade) 15.01.17

FILHOS MAIS VELHOS Creio que para entender o filho mais velho, só sendo um deles também. Ele é criado e educado para proteger, ajudar, ser forte, socorrer, aprender a se virar na vida e, quando tem uma atitude de sensibilidade, ou necessita de carinho é desacreditado, porque "os fortes não precisam disso." O resultado é um filho carente de colo que nenhuma guloseima ou presente preenchem o vazio de um abraço, de um beijo, por maior cumplicidade que haja. Cria-se, sem perceber, um filho com muitas mágoas, carências, lampejos de agressividade; um ser que só quer amar e ser amado e, facilmente, revida qualquer suposto ataque como um felino preparado para lançar- se à caça e que se defende com unhas e dentes. Sozinho, sua dor aparece, as lágrimas rolam escondidas, até vir o sono reparador. Passa a vida tentando preencher esta carência, culpando- se das reações de defesa exarcebadas, porque desaprendeu a viver na companhia constante e receber o calor da família, muito incentivo e menos palavras carinhosas... Não é facilmente percebida essa felicidade serena dele querer estar mais vezes com quem ama. Torna-se vítima, muitas vezes, dos mesmos sentimentos, acreditando em amores que não são verdadeiros, e isto só aumenta o fosso aberto na alma. Amar- se muito, valorizar- se e cativar-se carinhosamente melhora a autoestima destes filhos. Conseguem ser felizes, sim, e muitos estranham sua alegria escancarada de viver. Deus e a vida são suas grandes fontes de amor e carinho. Compreendidos ou não, vivem cada momento, não aceitam a palavra "sobrevivência"; parece resto, mendicância. A liberdade das suas atitudes e decisões agora incomodam os que nunca perceberam o carinho como o tesouro mais buscado pelos filhos mais velhos. Havia o amor na família... Ele nunca faltou, mas os menores eram mais protegidos e nem se davam conta disso. Mimos materiais não substituíam a vontade de receber um cafuné ou de ter vez de deitar no colo para onde acorriam os irmãos mais jovens. Dalva da Trindade S. Oliveira (Dalva Trindade) 15.01.17
Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 2Exibido 23 vezesFale com o autor