Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
82 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56429 )
Cartas ( 21156)
Contos (12574)
Cordel (9960)
Crônicas (22082)
Discursos (3130)
Ensaios - (8872)
Erótico (13328)
Frases (42865)
Humor (18224)
Infantil (3700)
Infanto Juvenil (2514)
Letras de Música (5461)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (137725)
Redação (2905)
Roteiro de Filme ou Novela (1051)
Teses / Monologos (2384)
Textos Jurídicos (1918)
Textos Religiosos/Sermões (4610)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cartas-->EVOLUÇÃO / Ji -- 05/06/2009 - 07:53 (Professor Marcelo Guido Noronha) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Marcelo, você, como espírita não consegue entender a eternidade?

Não estou te julgando, apenas chamando-o à reflexão....

Entendo, e por favor, respeito os passos de cada um, mas as provas que passamos, que você passa nesse momento, que se julga esquecido por Deus; o que fez não conta nada...tem outra resposta divina para mim.

É aí que podemos optar por crescer ou não.

Isso não é apologia ao sofrimento, mas já que entramos num caminho que aparentemente nos aniquila, e é irreversível, vamos fazer desse momento um aprendizado, rever nossos erros, nosso egoismo...

Acreditar que podemos sempre fazer um novo começo, como diz o grande Chico.

Você sempre poderá recomeçar, nessa encarnação, e evoluir.

É certo que sempre aprendemos mais com a dor, com os erros que com as alegrias.

A dor, os erros nos fazem seres melhores, mais tolerantes, receptivos, fraternos.

Se abrirmos nosso coração a esse entendimento, tudo se torna mais fácil.

Se acreditamos que aqui é um lapso perante a eternidade;se acreditamos que não existe morte, e sim mudança; se acreditamos em Deus, nos ensinamentos amorosos de Jesus, somos capazes de resistir.

Uma pequena flor, em um galho relativamente frágil, resiste a vendavais.

Obrigada pelas palavras de carinho sobre meu pai.

Sei que um poeta, um artista, sempre tem uma grande alma.

E você é um poeta.

Somos seres cheios de conflitos, os poetas, os artistas, mas não deixemos nos dominar por eles.

Também já sofri, por amor, por perdas, por falsos amigos.

Sofro pelas crianças vitimadas por guerras, massacres.

Sofro pelo "pre" conceito, pela maldade, pela ganância dos donos do poder.

Mas tb sei que esse sofrimento deve ser produtivo para mim, no sentido da caridade, do perdão.

Um abraço da amiga,
Ji
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui